Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

UE adverte que não serão contribuintes dos 27 a pagar pelo Brexit

0

A União Europeia reiterou hoje que permanecem “grandes divergências” nas negociações em torno do ‘Brexit’, designadamente sobre a “fatura” a pagar pela saída do Reino Unido, rejeitando que a mesma seja paga pelos contribuintes dos restantes 27 Estados-membros.

Na abertura de um debate no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, sobre o estado das negociações entre UE e Reino Unido para a concretização do ‘Brexit’, tanto o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, como o negociador-chefe da União, Michel Barnier, saudaram o recente discurso da primeira-ministra britânica Theresa May, em Florença, por ter mostrado maior “abertura”, mas apontaram que palavras não bastam e sublinharam as diferenças que subsistem ao fim de seis meses e quatro rondas de negociações.

“Estou satisfeito por a primeira-ministra May e a sua equipa terem reconhecido que o Reino Unido tem obrigações financeiras que deve respeitar. Contudo, o diabo está como sempre nos detalhes, e os contribuintes da UE 27 não devem pagar pela decisão britânica”, advertiu o presidente da Comissão Europeia.

Juncker comentou que o discurso proferido por May em Florença a 22 de setembro passado “foi conciliatório, mas discursos não são posições negociais e resta muito trabalho pela frente”.

“Ainda não fizemos progressos suficientes” a nível dos termos do “divórcio” para se poder avançar para discussões sobre as relações futuras, reiterou o presidente do executivo comunitário.

Jean-Claude Juncker reconheceu que foram realizados “bons progressos a nível dos direitos dos cidadãos”, mas ressalvou que “o indispensável papel do Tribunal de Justiça da UE para garantir esses direitos ainda tem que ser acordado”.

Também Barnier saudou a “abertura” manifestada por May no seu discurso, mas sublinhou que permanecem “divergências sérias, em particular sobre o acordo financeiro”.

“Sobre essa questão, as coisas são simples: não aceitamos pagar a 27 o que foi decidido a 28, é tão simples quanto isso. Os cidadãos não têm que pagar a consequência de uma decisão que não tomaram. Nem mais, nem menos do que isso”, declarou, sendo aplaudido pela assembleia. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe uma comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »