UNITA pede nulidade dos votos em 12 províncias

O principal partido da oposição em Angola, que os resultados provisórios das eleições gerais de 23 de Agosto apontam como o segundo mais votado, alega que o apuramento provincial dos votos só respeitou a lei em quatro províncias, tendo-se ainda revelado inconclusivo noutras duas.

Através de um comunicado distribuído ontem, 1 de Setembro, a UNITA defende que os resultados apurados em 12 províncias do país devem ser considerados “inválidos” porque não se cumpriram os preceitos previstos na lei.

As províncias em causa são o Kwanza-Norte, Kwanza-Sul, Lunda-Norte, Lunda-Sul, Bié, Huambo, Namibe, Cunene, Kuando Kubango, Huíla, Bengo e Luanda.

Para além de pedir a nulidade dos votos nessas 12 províncias, o “Galo Negro” considera que o processo revelou-se inconclusivo noutras duas – Benguela e Moxico -, embora reconheça que aí a Lei foi observada.

Feitas as contas, o principal partido da oposição apenas reconhece o apuramento realizado em Cabinda, Uíge, Zaire e Malanje.

Neste cenário, a UNITA “insta as comissões provinciais eleitorais para o estrito e absoluto respeito à lei, por estar em causa a legitimidade do poder político e a consagração do Estado Democrático e de Direito”.

No mesmo comunicado, os “Maninhos” desmentem a informação, veiculada pela Comissão Nacional Eleitoral, de que os mandatários e representantes da UNITA não estiveram nas sessões de apuramento dos resultados em todas as províncias.

Segundo o “Galo Negro”, o que aconteceu foi que esses responsáveis “não assinaram as actas, em virtude de os procedimentos utilizados não estarem em conformidade com a lei”.

Ainda na mensagem, a UNITA contesta o que descreve como parcialidade e falta de postura institucional democrática com que os órgãos de comunicação social públicos têm tratado esta matéria. (Novo Jornal Online)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »