Togoleses chamados ao diálogo para êxito de reformas políticas

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) quer envolver-se na crise togolesa para um feliz desfecho da questão das reformas políticas, anunciou o presidente da Comissão da referida instituição, Alain Marcel de Souza.

De Souza, que visitou quarta-feira última Lomé, disse notar “uma vontade de diálogo”, convidando assim o maioria presidencial e a oposição à “calma e à não violência para garantirem a estabilidade política, económica e social do país”.

Mencionou uma crise de confiança entre os protagonistas políticos, exortando-os a apostarem no diálogo e fazerem concessões para que as reformas e a alternância sejam feitas em paz.

Alain Marcel de Souza instou os partidos políticos da oposição e a maioria presidencial a deixarem o Parlamento “trabalhar rapidamente em paz”.

“Se há diligências a fazer, estaremos ainda presentes”, garantiu, sublinando que a comunidade internacional não pode ficar de braços cruzados”, nomeadamente a CEDEAO cujo presidente da conferência dos chefes de Estado é o Presidente togolês, Faure Essozimna Gnassingbé.

Alain Marcel de Souza foi recebido em audiência pelo Presidente togolês, por algumas personalidades com quem que fez a viagem para Lomé liderando uma delegação da CEDEAO, fez o balanço da situação política no Togo com o Presidente togolês, o ministro da Administração Territorial e o da Segurança, Payadowa Boukpessi, bem como líderes dos partidos políticos envolvidos na crise e na sociedade civil.

Há perto dum mês, uma crise nascida da falta de reformas políticas aumenta a tensão entre a oposição e o regime de Faure Gnassingbé.

A oposição reclama pelo regresso à Constituição de 1992, pelo restabelecimento do escrutínio uninominal de duas voltas, pela limitação do mandato presidencial e pelo voto dos Togoleses da diáspora.

Uma sessão extraordinária aberta na Assembleia Nacional esta quinta-feira vai examinar o anteprojeto de lei relativo à revisão constitucional adoptada rapidamente na semana passada pelo Governo que tenta apagar um fogo latente no seio da população. (Panapress)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »