Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Salvador Sobral desespera por coração

Vencedor do Festival Eurovisão está nos Cuidados Intensivos à espera de um dador compatível.

Internado nos Cuidados Intensivos do Hospital Santa Cruz, em Carnaxide, Salvador Sobral desespera por um transplante de coração, numa autêntica corrida contra o tempo. Segundo o CM apurou, o prognóstico do vencedor do Festival Eurovisão é delicado, ainda que se encontre estável. “Neste momento, está tudo a correr como o planeado. Todas as funções do organismo estão controladas.

A ideia do internamento é para não forçar o corpo, que era o que estava a acontecer. Estar numa cama de hospital é diferente do que andar de um lado para o outro”, revela ao CM uma fonte próxima de Salvador, acrescentando que, monitorizado 24 horas por dia, o jovem, de 27 anos, corre menos riscos do que quando estava com a agenda preenchida com concertos.

“Agora é que ele corre menos riscos de vida, porque está mais controlado”. Apesar de estar consciente da gravidade da sua situação, Salvador não perde a fé de encontrar um dador compatível – que tem de estar em morte cerebral e ter um perfil genético idêntico ao seu.

O cantor tem-se mostrado sereno durante o período de internamento. “Ele é uma pessoa super bem-disposta e está completamente tranquilo”, adianta a mesma fonte. Recorde-se que foi com a participação no Festival Eurovisão que se tornou público que o irmão de Luísa Sobral sofria de insuficiência cardíaca grave.

A estrela nacional aguarda a todo o momento por um coração compatível, numa luta contra o relógio em que conta com o apoio incondicional da família. “Ele tem tido visitas muito restritas, a família está muito preocupada, como é normal, mas todos mantêm a fé”, relata uma outra fonte. Pausa na carreira Foi através de um vídeo, gravado no hospital, que Salvador anunciou que ia fazer uma pausa na carreira para tratar da saúde. “Chegou, infelizmente, a altura de entregar o meu corpo à ciência”, fez saber.

Acompanhado por médico Para participar no Festival Eurovisão, que acabou por vencer, Salvador Sobral teve de ser acompanhado por um médico. Foi a irmã que fez os ensaios e o cantor só viajou para Kiev na véspera da cerimónia. “Pode voltar à vida normal” Salvador Sobral precisa de um transplante de coração para sobreviver.

Uma cirurgia que já é cada vez mais comum mas que, no entanto, tem algumas especificidades, a começar com a dificuldade de encontrar um dador compatível, com características semelhantes, como tipo sanguíneo, peso e altura. “Tem de haver uma compatibilidade genética para minimizar as hipóteses de rejeição e isso acaba por ser o mais difícil”, afirma ao CM o cardiologista Jorge Cruz. Salvador está em lista de espera e aguarda por um dador com os mesmos “parâmetros genéticos”. “Este tem de estar em morte cerebral e ter um coração saudável.

Não é comum que uma pessoa com mais de 50 anos possa ser dadora. O mais normal são jovens que sofreram acidentes e perderam a vida”. Desde o momento em que o coração saudável é identificado até à cirurgia não podem passar mais de quatro horas, sendo que a operação demora nunca menos de três. “Depois, o paciente fica cerca de um mês nos Cuidados Intensivos a tomar medicamentos para evitar a rejeição e prevenir infecções”, diz o especialista.

Segundo o médico, passado o período de risco, o doente “pode voltar a ter uma vida normal, fazer exercício, etc”. A taxa de sobrevivência, passados cinco anos, é de 75 por cento. PORMENORES 1967 Em 3 de Dezembro de 1967 realizou-se o primeiro transplante de coração humano, pelo cirurgião sul-africano Christian Barnard: o paciente só sobreviveu 18 dias, morrendo de infecção. Em Portugal, o primeiro transplante cardíaco realizou- -se em 1986, no Hospital de Santa Cruz (Carnaxide, Oeiras), pelo cirurgião Queiroz e Melo.

Transplantação No primeiro trimestre de 2017 foram realizados em Portugal 8 transplantes cardíacos, segundo a Coordenação Nacional de Transplantação. No ano passado, foram efectuados 42, menos oito que em 2015. Coração artificial Foi no Hospital de Santa Marta, em Lisboa, que se realizou o primeiro transplante de coração artificial em Portugal. A intervenção aconteceu em 6 de Março deste ano, pela equipa dirigida pelo cirurgião José Fragata. (Correio da Manhã)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »