Independentistas catalães insistem no referendo

Governo catalão anuncia locais de votação apesar de admitir dificuldades após apreensão dos boletins de voto.

O presidente do governo autónomo da Catalunha, Carles Puigdemont, manteve ontem o desafio a Madrid, ao publicar a lista dos locais de votação para o referendo ilegal do próximo dia 1 de outubro, apesar de o seu ‘número dois’, Oriol Junqueras, ter admitido horas antes que a apreensão de milhões de boletins de voto pelas autoridades espanholas “mudou as regras do jogo” e colocou em risco a realização da consulta.

“Não podemos votar como sempre, mas estamos a fazer os possíveis”, afirmou Junqueras, que viu no dia anterior ser detido o seu assessor, Josep Maria Jové, que é acusado de sedição, crime punível com 15 anos de cadeia. Jové e outros 13 detidos são ainda acusados de desobediência e malversação de fundos públicos, relacionados com o suposto gasto de 6,2 milhões de euros na organização do referendo ilegalizado pelo Tribunal Constitucional, que ontem multou em 12 mil euros diários Jové e os outros responsáveis eleitorais, que só serão suspensas quando for paralisada a preparação do referendo.

Na quarta-feira, um grupo de agentes da Guardia Civil e funcionários judiciais que apreendiam documentos relacionados com a organização do referendo foram cercados na Secretaria Regional de Economia por uma multidão em fúria. Só horas depois, já de madrugada, é que a polícia catalã se deslocou ao local para os resgatar, após ordem expressa de um juiz. Quatro carros da Guardia Civil foram vandalizados. (Correio da Manhã)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »