Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Myanmar nega “limpeza étnica” contra muçulmanos

O embaixador de Myanmar na ONU afirmou que não há qualquer “limpeza étnica” ou genocídio a decorrer contra os muçulmanos, opondo-se “nos termos mais fortes” aos países que usaram essas palavras para descrever a situação no estado de Rakhine.

Hau Do Suan usou o seu “direito de resposta” no final de um encontro de seis dias com líderes mundiais na assembleia-geral da ONU, na segunda-feira, para responder ao que apelidou de “comentários irresponsáveis” e “alegações infundadas” feitas nos discursos da organização, que representa 193 países.

No último mês, mais de 420 mil rohingyas muçulmanos chegaram ao Bangladesh, depois de as suas casas e aldeias serem incendiadas por soldados e monges budistas. Hau insistiu: “Não há qualquer limpeza étnica. Não há qualquer genocídio (…) Vamos fazer todos os possíveis para impedir uma limpeza étnica e genocídio”.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai reunir-se na quinta-feira para analisar a violência em Myanmar e a crise ligada à questão da minoria muçulmana rohingya, disseram diplomatas na segunda-feira. O secretário-geral da ONU, António Guterres, dirigir-se-á ao Conselho durante a reunião pedida por sete países, entre os quais os Estados Unidos e a França.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) advertiu na segunda-feira para a situação “desesperada” dos rohingyas refugiados no vizinho Bangladesh, considerando que poderá piorar caso não aumente a ajuda humanitária.

Segundo a ONU, cerca de 436 mil rohingyas chegaram ao Bangladesh no último mês, fugindo da violência em Myanmar, que escalou após os ataques a 25 de agosto do Exército de Salvação do Estado Rohingya (ARSA) contra postos militares e da polícia.

Na sequência dos ataques, “o Exército de Myanmar tem realizado execuções e pilhagens em massa, destruindo centenas de aldeias e forçando quase meio milhão de rohingya a fugirem para o vizinho Bangladesh”, segundo a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »