Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Angola e Moçambique no último dia da Assembleia Geral da ONU

Paz e desenvolvimento foram palavras-chave dos discursos dos embaixadores de Moçambique e Angola junto das Nações Unidas na 72ª Assembleia Geral do organismo.

Durante a intervenção na 72.ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, esta segunda-feira (25.09), Moçambique comprometeu-se a manter o diálogo para a paz no país como prioridade da agenda política.

Antonio Gumande, embaixador de Moçambique junto da ONU, foi quem usou da palavra e, num discurso em inglês, referiu que o Governo pretende esforçar-se para manter um “diálogo inclusivo” com partidos e organizações através de “meios informais e formais” como “a Assembleia da República”.

Gumande fez várias referências à paz ao longo do discurso, classificando-a sempre como essencial para conquistar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, conjunto de metas traçadas pela ONU para serem alcançadas até 2030. “Moçambique reafirma o seu compromisso com a agenda 2030”, referiu.

Apoio a Guterres

O representante moçambicano também falou sobre as alterações climáticas para referir que só com parcerias de cooperação será possível enfrentá-las com eficácia. Nesse sentido, assim como para lidar com outras ameaças, Gumande expressou apoio ao secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, e às reformas que pretende realizar no sistema, de maneira a torná-lo “mais robusto” e interligado com as estruturas regionais.

Da mesma forma,o diplomata defendeu a reforma do Conselho de Segurança, por forma a torná-lo mais eficiente.

O representante moçambicano junto da ONU pronunciou-se também sobre situações geopolíticas específicas, deixando, por exemplo, um apelo relativo à República Saaraui, que reivindica soberania sobre o território do Saara Ocidental, antiga colónia espanhola que, por sua vez, Marrocos reclama como parte do seu reino. Trata-se do único povo africano que ainda não teve direito à sua “autodeterminação e independência”, referiu António Gumande, pedindo que sejam cumpridas as resoluções do Conselho de Segurança (CS) em nome daqueles princípios.
Moçambique posicionou-se da mesma forma em relação à Palestina, com igual apelo ao CS.

Angola está estável e pacificada, sublinha embaixador

Por sua vez, Angola defendeu esta segunda-feira nas Nações Unidas que a “pacificação do país foi definitivamente alcançada” e a “gradual consolidação da democracia é um facto”, após a realização das eleições gerais, em que foi eleito um novo Presidente, João Lourenço.
Angola “tem estado estável e a pacificação do país foi definitivamente alcançada”, defendeu o embaixador angolano junto da ONU, Ismael Martins, na sede da ONU, em Nova Iorque.

Na sua intervenção, o diplomata recordou que Angola realizou a 23 de Agosto “as suas terceiras eleições gerais em tempo de paz” e que decorreram “num clima de tranquilidade, respeito pelas diferenças e elevada civilidade, o que mostra a estabilidade em que o país vive e a que a gradual consolidação de democracia é um facto”.

As prioridades do novo Governo, liderado por João Lourenço (MPLA), que toma posse esta terça-feira, “serão focadas no desenvolvimento económico, com particular atenção no combate à pobreza, na redução das desigualdades, no combate ao desemprego, na melhoria das insuficiências de governação e dos indicadores de desenvolvimento como uma condição ‘sine qua non’ para construir uma sociedade próspera e democrática”, destacou.

Em linha com a posição do continente

No seu discurso, o embaixador angolano falou também da organização e referiu-se ao secretário-geral da ONU: “O sucesso de António Guterres é o nosso sucesso”, declarou. “Precisamos de uma organização capaz de promover a paz e a segurança, capaz de actuar rapidamente e com eficácia”, sustentou, elencando o combate ao terrorismo como uma das áreas prioritárias.

Ismael Martins reiterou a posição de Angola sobre a necessidade de reformar o Conselho de Segurança, “de forma a reflectir a realidade do mundo contemporâneo”. “A sua composição actual está ultrapassada e deve ser reformada urgentemente. Em linha com a posição africana, Angola reitera a necessidade de aumentar o número de membros permanentes para garantir um equilíbrio geográfico justo”, afirmou.

Conselho de Segurança da ONU

“É injusto que o continente africano, que representa quase 40 por cento dos Estados-membros da ONU, não esteja representado entre os membros permanentes no principal órgão responsável pela manutenção da paz e segurança no mundo”, considerou o diplomata angolano.

Acentuando o compromisso de Luanda para com “a promoção e protecção dos direitos humanos”, Ismael Martins pediu o apoio dos restantes países da ONU na sua candidatura ao Conselho de Direitos Humanos, cuja eleição decorre em outubro. Angola frisou ainda o seu compromisso para com o multilateralismo, o cumprimento da agenda dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (‘Agenda 2030’) e as recomendações do Acordo de Paris sobre alterações climáticas.

Sobre a situação internacional, o representante angolano classificou como “uma ameaça muito séria para a paz e segurança internacionais” a tensão actual na península coreana, apelando para uma solução diplomática e respeito às leis internacionais sobre armamento.

O diplomata disse também que Luanda está “confiante e expectante” na resolução da crise política da Guiné-Bissau, outro país lusófono que também integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), tal como Portugal. (DW)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »