Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Congresso da Frelimo vai “limitar-se a produzir ajustes minimalistas”

Académicos moçambicanos ouvidos pela Lusa consideram que o 11.º congresso da Frelimo vai “limitar-se a produzir ajustes minimalistas” internos.

“As mudanças que podem ser esperadas serão ajustes minimalistas para que, pelo menos, a Frelimo [Frente de Libertação de Moçambique] se coloque em posição de conseguir ganhar as próximas eleições”, declarou José Jaime Macuana, comentador e docente na Universidade Eduardo Mondlane.

A relutância do partido em mudar foi um fator destacado por José Macuana para caracterizar o partido, numa altura em que o contexto político e social gera contestação e críticas de vários atores da sociedade – após um ano em que a inflação chegou a 25%, depois de rebentar o escândalo das dívidas ilícitas contraídas pelo Estado entre 2013 e 2014.

“A Frelimo, em parte, não tem a força necessária para fazer as mudanças de que precisamos”, referiu Macuana.

Como exemplo, aponta a falta de opções no capítulo da economia, “principalmente na condição em que estamos, de um Estado que se apresenta economicamente falido”, sustentou o docente universitário.

Para o académico, o país precisa de uma liderança “ousada e criativa” com capacidade de pensar “fora da caixa”.

“Não me parece que tenha havido um pensamento ousado até então. Mas, de qualquer forma, a Frelimo, definitivamente, terá de fazer um reajustamento para os próximos tempos”, frisou José Macuana.

Por sua vez, para o economista moçambicano Carlos Castel-Branco, se o 11.º Congresso da Frelimo for uma extensão do que se tem passado na Assembleia da República, onde o partido tem a maioria dos assentos parlamentares, os moçambicanos não devem esperar grandes resultados.

“O parlamento aprovou a inclusão das dívidas ilícitas nas contas gerais do Estado. O parlamento está a proteger pessoas, em ordem a proteger o partido governante. Se o congresso for uma amostra do que o parlamento já faz, eu não tenho muitas esperanças”, observou o também diretor científico do Instituto de Estudos Sociais e Económicos.

Para Carlos Castel-Branco, sem enfrentar o problema da “grande crise fiscal” do Estado e das dívidas ilícitas, a probabilidade da Frelimo encontrar caminhos para ultrapassar este “mau momento” é reduzida.

“Se esses não forem os pontos de referência, não tenho muita esperança de ver coisas concretas a saírem do congresso”, frisou o académico.

Sérgio Chichava é igualmente cético quanto ao que se pode esperar do congresso da Frelimo.

O investigador do Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE), uma das principais organizações de pesquisa de Moçambique, considera que o encontro vai servir apenas para a afirmação de Filipe Nyusi.

“O Presidente Nyusi vai reforçar a sua liderança. É um momento em que o presidente vai realmente tentar impor-se, sem interferências internas”, disse o académico.

Para Chichava, por um lado, a Frelimo não tem interesse em tratar das dívidas ocultas durante o congresso, na medida em que isto poderia separar o partido, num momento em que a necessidade de união é evidente face aos desafios eleitorais.

Por outro, o académico acredita que o grupo que está no poder não vai exigir a responsabilização dos autores da dívida ilícita porque alguns membros do atual executivo fizeram parte do Governo anterior, caso do próprio Presidente moçambicano, que era ministro da Defesa.

“Neste momento, o grande inimigo do partido é a oposição e acredito que tudo será feito para que nada atrapalhe a coesão do partido”, concluiu o pesquisador.

A contrastar com a posição dos analistas, que pouco esperam do congresso, os órgãos do partido têm assumido publicamente depositar grandes esperanças em Nyusi.

A comissão política da Frelimo aprovou no dia 13 uma resolução de apoio à sua recandidatura à liderança do partido apontando-o como a figura promotora de “resultados positivos que se registam no processo de recuperação” da economia moçambicana e no processo “de busca da paz efetiva no país”.

A comissão política referiu ainda que o “orgulho” em ter o atual líder como “timoneiro” reflete o sentimento dos órgãos centrais e locais da Frelimo, bem como das suas organizações sociais.

O 11.º Congresso da Frelimo vai ter lugar de 26 de setembro a 1 de outubro, na cidade da Matola, arredores de Maputo.

Nyusi está na liderança da Frelimo e de Moçambique há três anos, tendo sucedido, nos dois cargos, Armando Guebuza, que governou o país durante dez anos. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »