Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Investidura2017: Sucessão no Memorial de Neto

Avaliado pelo nome, simbolismo e pelas motivações da sua construção, facilmente se consegue perceber a importância histórica e cultural do Memorial António Agostinho Neto (MAAN).

Erguido em memória do primeiro Presidente da República, falecido a 10 de Setembro de 1979, na antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), o espaço é mais do que um mero edifício.

Inaugurado a 17 de Setembro de 2012, já se tornou símbolo de identidade cultural do povo angolano.

Pela sua “grandeza” e simbolismo, o local volta a estar no centro dos holofotes, quando acolher, a 26 de Setembro, a cerimónia de investidura do Presidente da República eleito, João Lourenço.

O edifício, com grande singularidade arquitectónica, será palco de uma “festa política” inédita, que marcará o começo de uma nova Era de governação e o fim do consulado de José Eduardo dos Santos.

Será nesse espaço, erguido desde 17 de Setembro de 1982, onde João Lourenço será investido de poderes constitucionais e receberá “luz verde” para dirigir a política de um Estado que, há três anos, procura pôr fim às dificuldades impostas pela crise económica.

A cerimónia não será circunscrita à tomada de posse do Presidente da República eleito.

No mesmo espaço, criado para investigar e preservar a vida e obra de António Agostinho Neto, assim como promover o conhecimento da cultura africana e a formação artística, será também investido de poderes constitucionais o Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa.

Memorial por dentro

Vincado pelas suas duas grandes naves com mais de 60 metros de extensão – que lhe dão notoriedade -, o Memorial tem uma torre de quase 120 metros de altura, em clara referência ao poema de Agostinho Neto, “A Caminho das Estrelas”, da obra “Sagrada Esperança”, que pode ser visualizada a partir de vários pontos de Luanda.

Encomendado pelo Governo da República de Angola, na década de 80, ao Instituto de Projectos da antiga URSS, o Memorial António Agostinho Neto é dos edifícios com maior força simbólica e expressividade no país.

Projectado com a finalidade de acolher os restos mortais de António Agostinho Neto, levou mais de três décadas para chegar ao formato definitivo.

Só a 17 de Setembro de 1982, três anos depois da morte de Agostinho Neto, deu-se o lançamento da primeira pedra, pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

Todavia, as obras ficaram suspensas por vários anos, até à década de 90, por causa do agravar da guerra e da situação socioeconómica do país, levando a uma reformulação do projecto, em 1998.

As obras do edifício, com uma área de 18 hectares, um bloco central que comporta o sarcófago onde repousam os restos mortais de Agostinho Neto, retomaram em Janeiro de 2005 e foram concluídas em Janeiro de 2011, um ano antes da inauguração oficial, em 2012.

O Memorial, além de um museu, conta com uma galeria de exposições, salas multiuso, administração, biblioteca/videoteca, biblioteca multimédia, centro de documentação, entre outros compartimentos.

Quem entra pelo edifício, facilmente se encanta com a beleza arquitectónica, sobretudo na parte circundante do jardim frontal, coberto de relvado e coqueiros. É lá onde poisam, frequentemente, mais de uma dezena de garças.

No meio, está um elefante em pedra cinza que se prostra em sinal de respeito. O seu toque arquitectónico permite um múltiplo uso.

Na praça, uma pérgola branca acolhe o portentoso “Içar da Bandeira”, cuja mancha tricolor desfraldada ao vento recorda, a quem transite pelos arredores da contígua Avenida Dr. António Agostinho Neto, a data da independência nacional e as convicções do povo angolano.

O edifício tem ainda uma galeria de exposições, as oficinas, a torre de imprensa, serviços de apoio e cafetaria, além de uma sala de conferências multifuncional, salas de pesquisa de internet e de formação.

O Memorial conta ainda com uma avenida para desfiles de cerca de 500 metros, com uma área de tribuna com dois mil lugares e parque para 300 viaturas. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »