Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Refugiados da RDC recebem bens alimentares

Um total de dez toneladas de produtos alimentares foram oferecidos ontem aos refugiados congoleses no município do Lôvua, na província da Lunda-Norte, pela Associação dos Angolanos Ex-Emigrantes na República Democrática do Congo (RDC).

Dos meios doados constam vestuário, calçado, detergente, arroz, óleo, massa alimentar, e bens para higiene pessoal.

O director-geral da Associação, Benvindo Fernandes, informou que a ajuda está enquadrada no programa que vela pela amizade e solidariedade com outros povos.
O líder associativo disse que a acção filantrópica contou com a parceria da ONG congolesa “ASN-Amigos Solidários do Congo-Kinshasa”.

Por seu turno, o director provincial do Ministério da Assistência e Reinserção Social, Wilson Palanca, realçou o gesto humanitário, e explicou que os bens doados vão contribuir para a solução de algumas dificuldades dos mais de 600 mil refugiados.

O Governo angolano e as organizações do sistema das Nações Unidas estão a aprimorar os mecanismos de logística e todas as condições necessárias para os refugiados da República Democrática do Congo.

O ministro da Assistência e Reinserção Social, Gonçalves Muandumba, disse, recentemente, que todos os actores envolvidos no processo devem aprimorar os mecanismos de logística e todas as condições necessárias para melhor acomodação.

O ministro manifestou a sua satisfação pelas melhorias significativas registadas no apoio que o Governo angolano e as agências das Nações Unidas têm prestado aos refugiados da República Democrática do Congo.

“Nos primeiros momentos a palavra de ordem dos refugiados era a fome. Agora fomos recebidos com alegria e isto é fruto do trabalho que está a ser desenvolvido por todos os actores do processo”, disse o ministro, que transmitiu às organizações do sistema das Nações Unidas que a questão dos refugiados continua na agenda do governo angolano. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »