Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

ONU: União Africana debruça-se sobre Tribunal Africano de Justiça

O Comité Ministerial da União Africana sobre o Tribunal Penal Internacional (TPI) reúne-se hoje, em Nova Iorque, para se debruçar sobre o estado de implementação do Tribunal Africano de Justiça, Direitos Humanos e dos Povos (ACJHPR).

O encontro realiza-se na sede da Missão da União Africana (UA), em Nova Iorque, à margem da 72ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas.

A União Africana aprovou, em Junho de 2014, em Malabo (Guiné Equatorial), na sua 23ª Cimeira Ordinária, um protocolo sobre as emendas ao Estatuto do Tribunal. O documento é também conhecido como o “Protocolo de Malabo”.

Nestes termos, o ACJHPR foi definido como “órgão judicial da União Africana e terá jurisdição sobre assuntos gerais, tais como a interpretação e aplicação de textos legais, como tratados e instrumentos jurídicos da UA, violações de direitos humanos e crimes internacionais”.

No entanto, três anos após a sua adopção, o referido protocolo ainda não foi ratificado e apenas 10 Estados membros o assinaram, o que está a dificultar a implementação da estratégia da UA de retirada dos países africanos do Tribunal Penal Internacional (TPI).

Esta posição, diz a UA, resultou da “decisão controversa” do TPI de emitir um mandado de captura do presidente sudanês, Omar Al Bashir.

Assim, a reunião de Nova Iorque vai debruçar-se sobre estas e outras questões, bem como procurar reunir um mínimo de 15 instrumentos de ratificação do “Protocolo de Malabo” , para que o ACJHPR entre em vigor até 2018.

Por outro lado, a União Africana, em parceria com a União Europeia e a OCHA (organismo das Nações Unidas encarregue das ajudas humanitárias), promovem uma mesa redonda ministerial sobre a Nigéria e a Região do Logo Tchad.

Em causa está a sorte de milhares de refugiados vítimas das acções armadas do grupo jihadista nigeriano Boko Haram, no Tchad, Camarões, Níger e Nigéria.

Ainda relativo ao continente africano, a Comissão da União Africana e a ONU-Mulhrer organizam, por seu lado, um evento de Alto Nível sobre a Rede de Líderes Africanas, que servirá como plataforma para o lançamento do “Grupo de Amigos da Rede de Líderes Africanas” em Nova Iorque.

Também relacionado ao sexo feminino, está também agendando um evento sobre “A participação da mulher na Paz e Segurança: Prevenção de conflitos e o Sector de Segurança”.

Por seu lado, o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) procede ao lançamento de um estudo sobre “Tendências de Desigualdade e de Renda na África Sub-Sahariana – Divergências Determinantes e Consequências”.

A Obra é um compêndio de políticas e acções destinadas a acelerar a redução da pobreza e desigualdades em África.

A sessão de trabalhos de quarta-feira ficou marcada pela assinatura, pelos representantes de 44 países, do Tratado sobre a Interdição das Armas Nucleares, em cerimónia realizada na sede das Nações Unidas.

O secretário-geral da organização, António Guterres, considerou o acontecimento uma “etapa histórica”, pelo facto de ser “o primeiro Tratado Multilateral de Desarmamento em mais de duas décadas”.

Nesta quinta-feira, terceiro dia de trabalhos, 12 chefes de Estado africanos vão usar da palavra, designadamente do Burkina Faso, Ghana, Gabão, Togo, Seychelles, Botswana, Comores, Guiné Equatorial, S. Tomé e Príncipe, Zimbabwe, Maurícias e Guiné-Bissau.

No total, serão 39 oradores dos cinco continentes. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »