Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Venezuela denuncia que Trump e líderes da região ameaçam sua soberania

A Venezuela denunciou nesta terça-feira como uma ameaça à sua soberania a reunião entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e um grupo de líderes latino-americanos em Nova York.

“O governo venezuelano denuncia ante os povos do mundo as novas ameaças contra a soberania, a paz e a estabilidade de nossa país” no jantar oferecido por Trump na segunda-feira, indicou em um comunicado, que não faz referências às declarações do presidente americano nesta terça-feira na Assembleia Geral da ONU.

Na tribuna das Nações Unidas, Trump afirmou que a “ditadura socialista na Venezuela é inaceitável”, indicou que o objetivo é ajudar os venezuelanos “a recuperar a liberdade, recuperar o país, restaurar a democracia”.

Ao inaugurar a Assembleia Geral, o presidente Michel Temer também mencionou que o Brasil está junto ao povo da Venezuela.

“A situação dos direitos humanos na Venezuela continua a deteriorar-se”, afirmou Temer, o primeiro presidente a se pronunciar, como é tradição no maior encontro diplomático do planeta.

“Estamos ao lado do povo venezuelano, a que nos ligam vínculos fraternais. Na América do Sul, já não há mais espaço para alternativas à democracia. É o que afirmamos no Mercosul, é o que seguiremos defendendo”, afirmou o chefe de Estado brasileiro.

O chanceler venezuelano Jorge Arreaza, que representa seu país na Assembleia Geral, por sua vez,rejeitou “as ameaças do presidente Trump e de qualquer um”. Ele denunciou “uma teoria racista e supremacista” que o fez recordar o ex-presidente americano Ronald Reagan em 1982.

No jantar de segunda-feira participaram os presidentes da Colômbia, Juan Manuel Santos, do Brasil, Michel Temer, do Panamá, Juan Carlos Varela, e a vice-presidente da Argentina, Gabriela Michetti.

Segundo o governo de Nicolás Maduro, esses dirigentes “foram convocados a aumentar a campanha de agressão contra a Venezuela”.

“Trump tem uma obsessão fatal com a Venezuela, produto de suas ideias supremacistas brancas, mas contamos com os povos do mundo”, acrescenta o texto.

Caracas também afirmou estar preparada para “seguir derrotando, nos planos político e diplomático, e em qualquer outro necessário, as agressões nefastas da Casa Branca”.

O presidente americano garantiu que a Venezuela “está entrando em colapso” e seu povo está “morrendo de fome” pelas políticas do “governo desastroso” de Maduro.

Washington já impôs sanções à Venezuela e, em 11 de agosto, advertiu que os Estados Unidos contemplavam uma série de ações, “incluindo uma possível opção militar, se necessário”.

Por outro lado, o Peru convocou uma segunda reunião de chanceleres do Grupo de Lima, composto por doze países das Américas Latina, para esta quarta-feira, quando avaliarão a situação na Venezuela, aproveitando sua presença em Nova York para a Assembleia Geral da ONU.

A segunda reunião de chanceleres será conduzida pelo ministro das Relações Exteriores do México, Luis Videgaray Caso.

Para o encontro foram convidados os doze países que assinaram a Declaração de Lima: Brasil, México, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguay e Peru.

A primeira reunião foi realizada em agosto, em Lima, por iniciativa da chancelaria peruana. Na ocasião, os diplomatas condenaram a ruptura da ordem democrática na Venezuela e desconheceram a Assembleia Constituinte convocada através de referendo pelo presidente Maduro. (Afp)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »