Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Sambizanga ganha nova imagem

Alguns anos depois da Independência de Angola, o bairro do Sambizanga conheceu um grande crescimento desordenado. Foi uma zona caracterizadas por condições de habitabilidade, segurança e acessibilidade precárias, os seus difíceis acessos dificultavam a intervenção de órgãos do Estado, como a Polícia no eventual apoio aos populares. Uma grande parte da população habitava em casebres.

O Sambizanga é um dos seis distritos do município de Luanda, capital do país, constituído pelas comunas do Bairro Operário, Ngola Kiluanje e Sambizanga.

Com 14.5 quilómetros quadrados e cerca de 600 mil habitantes, o Distrito do Sambizanga faz parte das localidades em que estão a ser implementadas obras de requalificação urbana.
Iniciado em Novembro de 2011, o programa de requalificação urbana do Sambizanga prevê estar concluído dentro de 20 a 25 anos.

Passados apenas seis anos, os moradores já sentem os benefícios da implementação do processo de requalificação urbana. Em alguns bairros do distrito observa-se já uma nova imagem.
Hoje, quem passa pela via construída na encosta do Miramar, o viaduto próximo ao prédio do Livro do São Paulo, as ruas Kima Kienda e Lueji Anconda, as zonas do campo Mário Santiago e do ex-mercado Roque Santeiro e Rotunda da Boavista, já pode observar o novo rosto que ganharam estas localidades.

Estão em curso obras na intercepção com a Major Kanhangulo, Rei Mandume e com a rua Ndunduma. O tráfego rodoviário está, agora, mais fluído. Para quem circula do município de Cacuaco para São Paulo o trajecto demora 30 minutos. “Quando antes fazíamos este mesmo trajecto em quase duas horas”, disse o taxista Fernando Jacinto.

O troço da Rotunda à Ilha de Luanda faz-se de 12 a 15 minutos. “Quando antes fazíamos este trajecto em 35 a 40 minutos”, referiu o taxista Domingos Santana. Para ele, os constrangimentos vividos no passado com os constantes congestionamentos e crateras na rua já fazem parte do passado. “Hoje, a corrida é mais rápida”, acrescentou o jovem.

Os passageiros embarcavam e desembarcam sem esperar muito tempo. Com a reabilitação da via e a construção do viaduto da Rotunda da Boavista, “as viagens são feitas de forma mais célere e podemos fazer cerca de sete a dez viagens por dia, deste forma temos transportamos cada vez mais passageiros”, disse José Manuel.

Enquanto embarcava numa paragem na antiga rotunda, a estudante de Enfermagem Ana Gunza disse: “Desde que a via foi reabilitada, os atrasos na sala de aula acabaram”. No Bairro Marconi, na comuna do Ngola Kiluanji, num espaço de cerca de mil hectares, foram erguidas estruturas habitacionais e sociais num período de 18 meses. A nova urbanização é composta por uma variedade de lotes com cinco e nove andares e apartamentos de diferentes tipologias.

Nesta comuna foram ainda construídas moradias, escolas, creches, estruturas comerciais e administrativas, postos de polícia, instalações médicas, desportivas e recreativas, arruamentos, redes eléctricas, de abastecimento de água e de drenagem.
Existem ainda obras em curso na Avenida Ndunduma, antigo Mercado do Roque Santeiro e na Rotunda da Boavista.

Realojamento

Um dos maiores constrangimentos na implementação do processo de requalificação do Distrito do Sambizanga foi o realojamento das famílias que viviam em áreas de intervenção para obras.
Mesmo depois do registo, havia cidadãos que se infiltraram, com o objectivo de obter uma casa.

Alguns tentaram enganar as autoridades. “Recebiam a casa e voltavam a reclamar por mais uma casa”, disse João António, que residia num casebre junto ao Roque Santeiro e hoje vive numa residência condigna.

Muitas obras ficaram impedidas de avançar devido à presença das famílias. Para resolver a situação, foi criado, por orientação do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, um grupo de trabalho.

O grupo operativo era composto por técnicos dos ministérios da Construção, do Urbanismo e Habitação, Administração Local, Gabinete de Coordenação dos Trabalhos Técnicos da Província de Luanda, e Gabinete de Reconversão Urbana do Cazenga.
Quatrocentas famílias foram realojadas nos bairros Zango Três e Zango Quatro e na nova urbanização Marconi.

“O processo de realojamento é contínuo. Na medida em que vão ser definidas as áreas de implementação de equipamentos sociais, habitação, espaços verdes e outras estruturas, de acordo com o plano director existente, vão-se providenciando os realojamentos”, realçou Bento Soito, director do Gabinete de Reconversão Urbana do Cazenga, que também fez parte do grupo de trabalho para o realojamento.

Para Bento Soito, é difícil fazer tudo de uma vez. Houve várias situações que atrapalharam o bom andamento do processo, mas, tudo está a ser resolvido para que ninguém fique sem ser realojado.

O processo de reconversão programado para ser concluído dentro de 15 a 20 anos prevê também o realojamento de 400 mil famílias.

Famílias são realojadas
Maria Demetilha foi uma das primeiras a receber uma residência na urbanização Marconi. Doméstica de profissão, de 54 anos, viu a sua casa em que vivia na rua 12 de Julho, destruída, para facilitar as obras públicas em execução naquela área.

A rua 12 de Julho era uma rua que tinha várias crateras. Na época de chuvas acumulava águas paradas, mosquitos e lixo. “Era um grande transtorno. Já a morar aqui estou melhor. Afinal nós esperamos ver um dia o Sambizanga moderno, com universidades, lojas, ruas bonitas”, acrescentou Maria Demetilha.

Em Viana, a zona do Zango continua a ser o destino dos cidadãos que viram as suas residências destruídas para dar lugar às obras de construção de infra-estruturas rodoviárias. A morar no quarteirão C do Zango Três, há cerca de seis meses, numa casa do tipo T3, vive Isabel Fernandes, 42 anos, com os quatros filhos, irmão e esposo.

Isabel Fernandes saiu do bairro da Boavista para dar lugar as obras para a construção do viaduto e nova estrada.
De princípio, Isabel Fernandes e os vizinhos resistiram a sair do seu bairro. As insistentes jornadas de conversações para a retirada dos cidadãos acabaram por convencer Isabel Fernandes e outras pessoas a aceitarem abandonar o local.

As conversações entre os técnicos do grupo operativo e os moradores da zona começou em 2000. Em 2013, foi feito o registo e devido registo de todos os moradores, cujas residências estavam abrangidas para serem demolidas. Depois de vários contactos, só no dia 18 de Fevereiro deste ano foi concretizada a mudança para o Zango Três. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »