Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Presidente da Palestina reúne com chefe do Hamas

O presidente Mahmud Abbas, conversou nesta segunda-feira com o líder do Hamas, no primeiro diálogo entre os dois em quase um ano, no dia seguinte de o grupo islamita fazer um gesto conciliador com o Fatah, partido de Abbas.

Abbas, que está em Nova York, informou por telefone a Ismail Haniyeh a “sua satisfação pelo clima de reconciliação” entre os dois adversários, segundo um comunicado da agência palestiniana oficial Wafa.

O chefe do Hamas afirmou que a sua formação estava “determinada a avançar para acabar com a divisão”, assinalou um comunicado do partido islamita palestino.
Um porta-voz do Hamas indicou à AFP que os dois líderes não se falam desde o encontro no Catar, em outubro de 2016.

No domingo, o Hamas anunciou a dissolução de um polémico conselho, considerado um obstáculo à unidade interpalestina, e chamou o Fatah a iniciar novas conversas de reconciliação.
Reconhecida pela comunidade internacional, a Autoridade Palestina, do presidente Abbas, no poder na Cisjordânia ocupada, enfrenta o Hamas desde que o movimento islamita a expulsou da Faixa de Gaza em 2007.

O primeiro-ministro palestino, Rami Hamdallah, que viajará em breve à Faixa de Gaza, e reunirá com responsáveis do Hamas e reafirmará a autoridade do governo, declarou a jornalistas em Ramallah Nabil Shaath, conselheiro de alto escalão de Mahmud Abbas.

“Estamos espera das primeiras medidas no terreno. Queremos ver Hamdallah a ser recebido pelo Hamas e as portas abertas de todos os ministérios (em Gaza, actualmente controlada pelo Hamas)”, continuou. “Isso poderia acontecer nas próximas 24 horas”.

Seria a primeira visita do primeiro-ministro da Palestina à Faixa de Gaza desde 2015, quando uma tentativa de reconciliação fracassou.

O anúncio no domingo da dissolução do “conselho administrativo” por parte do Hamas foi recebido de forma favorável pela ONU e pelo Fatah, que o via como um governo paralelo que colocava impedimentos na reconciliação.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »