Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

O jornal “A Folha de São Paulo” não percebe o hip hop português

No Brasil acha-se que o nosso rap está na infância. Rui Miguel Abreu discorda e explica porquê

Num artigo publicado no diário brasileiro “A Folha de São Paulo”, a propósito da apresentação dos HMB com Virgul e Carlão no cartaz da edição brasileira do Rock In Rio, o jornalista Thales de Menezes conclui que a cena rap portuguesa é tímida e deve estar ainda no jardim de infância.

Há várias considerações que se podem tecer, a primeira das quais é a de que tudo indica que Menezes está a formar uma opinião de toda uma cultura a partir de um único concerto, já que nenhum outro nome é citado. Mais ainda, o jornalista cai no erro de tentar medir o pulso de todo um género musical praticado num país específico a partir dos nomes “importados” para o cartaz de um festival de cariz assumidamente comercial.

O irónico é que Thales de Menezes tece as suas conclusões num momento em que, nem de propósito, o hip hop português atravessa uma fase de evidente fulgor criativo, com muitas propostas musicais a conquistarem espaço nas rádios, nos cartazes de festivais de diferentes dimensões, nas páginas da imprensa.

Ainda este fim de semana, o Festival Iminente, curado por Vhils, alinhou Orelha Negra e Slow J, Allen Halloween e Mike El Nite, Chullage e Regula, DJ Ride e Capicua num cartaz que traduz, de facto, a efervescência de toda uma cultura e que deixa claro que o hip hop tuga não apenas já ultrapassou o jardim de infância como já nem sequer vive em casa dos pais… Esta é uma cultura que tanto fornece discos para as contas de melhores do ano de forma consistente como consegue reunir milhões de plays nas plataformas de streaming, demonstrando assim que não é um micro-fenómeno localizado e invisível aos olhos da maioria.

Há outro dado interessante que se pode adivinhar nas entrelinhas do texto d’”A Folha de São Paulo”: o desejável intercâmbio musical entre dois países que partilham uma mesma língua ainda está por realizar. O hip hop seria até, talvez mais do que o fado, uma boa oportunidade para o fazer porque é uma linguagem musical praticada de ambos os lados do Atlântico, com códigos universais que todos entendem.

Mas a curiosidade que a imprensa portuguesa sempre soube mostrar em relação à produção musical brasileira, não necessitando de embaixadas enviadas a festivais ou de edições discográficas locais, nunca encontrou real equivalência do lado de lá. Sabemos que o Brasil é uma potência mundial em termos musicais, conhecemos as lendas – de Tim Maia e Jorge Ben a Gal Costa ou Marcus Valle –, ouvimos os discos, procuramos descobrir os novos talentos – de Rincon Sapiência a Don L, de Djonga aos bem mais conhecidos Emicida ou Criolo – mas a mesma vontade parece não animar quem do lado de lá do Atlântico tem missão equivalente. Há uma Língua Franca comum, mas parece que ainda não é suficiente.. (Blitz)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »