Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Cúpula do governo fala em ‘árvore podre’ e quer anulação de provas

Auxiliares acreditam que cenário melhorou para Temer, em caso de uma eventual segunda denúncia ser apresentada pela PGR

Entre os aliados do presidente Michel Temer, a sensação é de alívio após a reviravolta sobre a delação da JBS. Na última segunda-feira (4), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, assinou portaria em que instaura procedimento de revisão de colaboração premiada de três dos sete executivos do Grupo J&F.

O motivo é, principalmente, o áudio de uma conversa entre os delatores Joesley Batista e Ricardo Saud, no qual falam, entre outros assuntos, sobre suposta atuação do então procurador da República Marcello Miller, dando a entender que ele estaria auxiliando na confecção de propostas de colaboração para serem fechadas com a Procuradoria-Geral da República.

“Tal conduta configuraria, em tese, crime e ato de improbidade administrativa”, destacou a PGR.

Para os auxiliares de Temer, o fato inviabiliza qualquer prova contra ele, não apenas referente à primeira denúncia, por corrupção passiva – que já foi rejeitada pela Câmara, no dia 2 de agosto -, mas também uma eventual segunda acusação, dessa vez por organização criminosa e obstrução de justiça.

“É a teoria da árvore podre, que contamina tudo. As flechas do Janot amoleceram”, afirmou um ministro da cúpula do Palácio do Planalto, pedindo anonimato.

Apesar do otimismo, o clima de “já ganhou” está longe dos corredores do Planalto. Até porque, quando do anúncio de revisão da delação, Janot fez questão de destacar que a decisão não “implica na nulidade de provas já produzidas em investigações”.

“Resolvido nunca está, sempre é difícil, mas realmente facilita muito o nosso trabalho. O clima mudou totalmente na Câmara”, admitiu um interlocutor.

O Palácio do Planalto, de acordo com informações de O Globo, também prega que Janot estaria se protegendo e dificultando que a sucessora Raquel Dodge investigasse o caso, inclusive contra o próprio procurador.

“Janot está tomando uma ação preventiva a pouquíssimos dias de sair da PGR, para que Raquel Dodge não tome providências, inclusive contra ele. É coincidência esse anúncio às vésperas do fim do mandato?”, ironiza outro auxiliar do presidente, que aposta na anulação das provas. Janot deixa a chefia do Ministério Público no próximo dia 17. (Notícias ao Minuto)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »