Dossiê revela que mais da metade das vítimas de estupro no RJ são menores de 14 anos

Documento registra números dos principais crimes cometidos contra mulheres. Segundo o ISP, 15,5% dos registros de mortes de mulheres ocorridas no último trimestre de 2016 foram qualificadas como feminicídios.

12ª edição do Dossiê Mulher, divulgado nesta segunda-feira (7) pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), revela o índice dos principais crimes que as mulheres sofrem diariamente. E, segundo os dados, 55,5% das vítimas de estupro são menores de 14 anos. Ainda segundo o levantamento, 15,5% dos registros de mortes de mulheres ocorridas no último trimestre de 2016 foram qualificadas como feminicídios – homicídio doloso praticado por a vítima ser mulher.

O dossiê faz um levantamento dos principais crimes cometidos contra mulheres no ano passado, como estupro, feminicídio, lesão corporal grave e ameaça, entre outros. Os números mostram que no primeiro semestre deste ano, de janeiro a junho, foram registradas 37 mortes. Nos últimos três meses do ano passado foram 16 mortes violentas de mulheres. Em relação aos homicídios tentados contra mulheres, 42 casos – equivalentes a 27,3% do total de ocorrências – foram classificados como tentativas de feminicídio.

Quanto aos estupros, o documento informa que houve registro de 4.705 casos em 2016, sendo que 55,5% eram de meninas de até 14 anos.

Os dados do ISP mostram que parte dos crimes cometidos contra mulheres tem como autor uma pessoa com algum grau de intimidade com a vítima, como companheiros e ex-companheiros, parentes, amigos ou vizinhos.

Nos casos de estupro, em 38,9% das vezes os acusados tinham alguma relação com as vítimas, em 8,9% eram companheiros ou ex-companheiros.

Já a lesão corporal dolosa tem 69,7% do total de casos cometidos por pessoas próximas à vítima (sendo 52% de cônjuges ou ex-cônjuges), sendo que 61% dos casos ocorreram dentro da residência.
Este ano, de janeiro a junho, foram 37 assasssinatos e 119 tentativas de homicídio doloso. Alguns desses crimes são subnotificados, ou seja, não são denunciados na medida que deveriam, como por exemplo, assédio sexual . No ano passado forma 126 casos, um número muito baixo. Outro crime subnotificado, com 588 vítimas, é de importunação ofensiva ao pudor, quando a vítima mulher é incomodada em local público.

Como denunciar

As denúncias podem ser feitas em qualquer delegacia, mas as vítimas podem procurar uma das 15 unidades da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam). A lista pode ser encontrada no site da Polícia Civil.
As denúncias também podem ser feitas pela Central de Atendimento à Mulher do governo federal, pelo telefone 180. E há ainda o canal do Disque-Denúncia, pelo telefone 2253-1177. (G1)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »