Venezuela. EUA vai impor sanções severas se Assembleia Constituinte for aprovada

Os Estados Unidos vão impor sanções severas contra a Venezuela se for aprovada a Assembleia Constituinte promovida pelo Presidente Nicolás Maduro, anunciou na terça-feira o senador republicano Marco Rubio.

“É possível uma reconciliação na Venezuela se (Nicolás) Maduro optar por esse caminho. Mas que espere severas sanções dos EUA se a Assembleia Constituinte acontecer”, escreveu na sua conta no Twitter. Segundo Marco Rubio, o objetivo da oposição venezuelana “não é a vingança”.

Os protestos terminarão se o Governo de (Nicolás) Maduro regressar à ordem constitucional, libertar e conceder amnistia a todos os presos políticos, suspender a Constituinte e realizar eleições supervisionadas”, explicou.

O Governo venezuelano iniciou, no domingo, a campanha para o escrutínio de 30 de julho, quando serão eleitos os 545 membros da Assembleia Constituinte promovida pelo Presidente venezuelano Nicolás Maduro.

Para Maduro, a Assembleia Constituinte vai redigir uma nova Carta Magna, que deverá traduzir um “grande diálogo nacional e social, acabar com a corrupção e a burocracia, e estará centrada em ganhar a paz e isolar os violentos”. A nova Constituição deverá determinar a manutenção dos programas sociais conhecidos como “missões”, criados pelo falecido líder socialista Hugo Chávez, antecessor de Maduro, em matéria de habitação social, educação, saúde e cultura.

Os eleitos deverão promover novas formas de democracia participativa, e a democracia direta no campo social e político, além de dar valor constitucional às comunas e conselhos comunais.

A oposição acusa o Governo de avançar com um processo “fraudulento” e diz que não houve consulta popular.

Alega ainda que o regime pretende usar a Assembleia Constituinte para concluir a instauração de uma ditadura, acabar com a divisão e autonomia de poderes e perseguir os dissidentes.

A convocatória para a eleição de uma Assembleia Constituinte, feita no passado dia 1 de maio pelo Presidente Nicolás Maduro, intensificou as manifestações da oposição que desde abril se registam no país, depois de o Supremo Tribunal de Justiça divulgar duas sentenças que limitavam a imunidade parlamentar e em que aquele organismo assumia as funções do parlamento.

Pelo menos 93 pessoas morreram no âmbito dos protestos (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »