Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Crise dos passaportes expõe erros e disputa interna na Polícia Federal

A polêmica desencadeada pela suspensão da emissão de passaportes por parte da Polícia Federal (PF), anunciada na noite desta terça-feira, gerou repercussões e expôs também erros e velhas disputas internas entre delegados e agentes da corporação.

Diante das críticas, o governo federal anunciou nesta quarta-feira que encaminhou ao Congresso Nacional o projeto de lei 150/2017, que propõe abertura de crédito suplementar para o Orçamento de 2017 da PF.

Segundo a proposta, serão destinados R$ 102,4 milhões para regularizar a emissão de passaportes. O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão informou que os agendamentos e requisições para confecção do documento estão mantidos, assim como os pedidos de agendamentos já realizados.

A expectativa é que o projeto seja votado ainda nesta semana, a fim de evitar mais repercussões já causadas pela “insuficiência de orçamento”, apontada pela PF para suspender a emissão de passaportes até a liberação de novos recursos.

Internamente, as categorias de policiais federais interpretou de maneiras distintas o problema, o que expõe velhas disputas que já são conhecidas com quem acompanha o trabalho diário dos agentes e delegados da PF em todo o país.

A Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) afirmou, por meio de nota, que o problema na emissão dos passaportes é “consequência da falta de autonomia da instituição e do notório encolhimento imposto à PF nos últimos anos”.

“A suspensão da emissão de passaportes talvez seja o aspecto mais visível do desmonte sofrido pela PF, uma vez que atinge diretamente, e em larga escala, a população. Porém, a falta de recursos afeta diversas outras áreas da PF, como contratos de manutenção de viaturas, reformas de prédios e abertura de novos concursos públicos, hoje um problema sério na instituição em razão do déficit de efetivo – apenas para Delegados Federais há cerca de 500 vagas não preenchidas”, diz a nota.

Para a entidade dos delegados, é preciso que o Congresso “aprove a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 412/2009, que garante a autonomia funcional, administrativa e orçamentária da Polícia Federal. O projeto garante que a PF elabore sua proposta orçamentária, dentro dos limites estabelecidos na Lei de Diretrizes Orçamentárias, o que possibilita um melhor aproveitamento dos recursos previstos em lei, para que sejam aplicados em áreas e projetos de fato prioritários”.

Agentes discordam e fazem alerta

A proposta da ADPF é conhecida e amplamente criticada pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef). De acordo com a entidade dos agentes, escrivães e papiloscopistas da PF, “houve uma falha na previsão orçamentária, elaborada pela gestão da própria Polícia Federal, encaminhada ao Ministério da Justiça e enviada ao Congresso Nacional para aprovação”.

“Na sequência, a Fenapef detectou que houve falha e falta de planejamento durante a execução do orçamento, das verbas destinadas à confecção de passaportes. Ou seja, a necessidade de crédito suplementar deveria ser demandada com antecedência, sem deixar para última hora, o que evitaria o prejuízo a milhões de brasileiros. Nesse sentido, a Fenapef acredita que o envio imediato pelo Governo Federal de um Projeto de Lei requisitando crédito suplementar ao Congresso Nacional irá regularizar o fornecimento dos passaportes nos próximos dias”, pontuou a Fenapef, em nota.

Ainda de acordo com a entidade, “em 2016 foram emitidos 2.234.406 de passaportes ao custo de R$ 257,25, totalizando R$ 578 milhões de arrecadação”, o que “demonstra que o serviço é autossuficiente”. “Nesse sentido, a Fenapef acredita que é ‘injustificável’ a interrupção do serviço de emissão de passaporte pela Polícia Federal”, concluiu.

Já a proposta de autonomia defendida pela ADPF é rejeitada pela Fenapef, que chama a proposta de ‘PEC dos Delegados’. “Se aprovada, a PEC dos delegados pode transformar a PF em uma agência de espionagem. Como força pública de segurança, teria mais poderes que as Forças Armadas “, diz trecho de um texto publicado pela Fenapef no início deste mês. (Sputnik)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »