Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Ex-ministro da Saúde e ex-Presidente do BPN conhecem hoje alegações finais

Arlindo de Carvalho e Oliveira Costa vão esta segunda-feira a julgamento conhecer as alegações finais. O ex-ministro da Saúde e o ex-Presidente do BPN respondem por crimes em coautoria.

As alegações finais do julgamento que sentou no mesmo banco dos réus o antigo ministro da Saúde, Arlindo de Carvalho, e o ex-presidente do BPN, José Oliveira Costa, começam esta segunda-feira na Instância Central Criminal de Lisboa.

Arlindo de Carvalho responde em julgamento pela prática, em coautoria, de crimes de burla qualificada, abuso de confiança e fraude fiscal agravada, num esquema que alegadamente envolveu a estrutura diretiva do BPN e que defraudou o banco.

Segundo a pronúncia, Arlindo de Carvalho cometeu burla qualificada em coautoria com os arguidos Oliveira Costa, ex-presidente do Banco Português de Negócios (BPN), Francisco Sanches, ex-administrador do BPN, e José Neto, sócio do antigo ministro na imobiliária Amplimóveis.

No crime de abuso de confiança, o antigo ministro social-democrata responde em coautoria com os arguidos Francisco Sanches, Oliveira Costa, Coelho Marinho, ex-administrador do BPN e da Sociedade Lusa de Negócios (SLN), que detinha o banco, e José Neto. Arlindo Carvalho responde ainda por fraude fiscal qualificada em coautoria com José Neto, através da Amplimóveis, empresa também levada a julgamento neste processo.

A defesa do ex-ministro e do arguido José Neto negam as acusações, designadamente os prejuízos causados ao banco e a tese de que os arguidos montaram um esquema para ficarem com imóveis do BPN, por forma a ocultar esse património do Banco de Portugal. Neste processo, Oliveira Costa está a ser julgado por burla qualificada em coautoria com Francisco Sanches, Luís Caprichoso, também ex-administrador do BPN, e Ricardo Oliveira, empresário e acionista do banco.

O fundador do BPN – que já durante este ano foi condenado a 14 anos de prisão no julgamento do processo principal do caso BPN – está neste processo em fase de alegações finais acusado de burla qualificada em coautoria com Francisco Sanches, Arlindo Carvalho e José Neto e por abuso de confiança, em coautoria com Francisco Sanches, Coelho Marinho, Arlindo de Carvalho e José Neto. O ex-presidente do BPN responde também por fraude fiscal qualificada, em coautoria com os arguidos Ricardo Oliveira e Francisco Sanches.

O caso que entra esta segunda-feira em alegações finais foi extraído do processo principal do escândalo BPN, cujo julgamento terminou este ano com a condenação de 12 dos 15 arguidos. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »