- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Análise Um bilião e 250 milhões de dólares "perdidos" no Corredor do Lobito

Um bilião e 250 milhões de dólares “perdidos” no Corredor do Lobito

A empresa ferroviária, que celebrou 15 anos do fim do contrato de exploração portuguesa, ainda não alimenta o Porto construído para escoar a produção mineral de dois países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral. Atentos ao impasse, camionistas de Benguela, falidos por falta de incentivos, podem fazer-se à estrada para cobrir o vazio.

Ao fim de mais um ano, o Porto de Minérios do Lobito continua à espera que o Caminho-de-ferro de Benguela (CFB) comece a movimentar os produtos que determinaram o investimento de 522 milhões de dólares norte-americanos, seis vezes superior a um orçamento da província com o maior corredor económico de Angola.

Um dos cinco empreendimentos portuários inaugurados em Agosto de 2014, o Porto Mineral fica reduzido à insignificância até ser executado o projecto de ligação da via-férrea aos ramais do Congo Democrático e da Zâmbia, os chamados ‘’países encravados’’.

Na cerimónia de inauguração, diante do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, o ministro dos Transportes, Augusto Tomás, alheio aos condicionalismos que estorvam a programação, acenava para a província congolesa de Catanga, detentora de uma produção anual de um milhão de toneladas de cobre.

As autoridades angolanas pretendiam explorar esta oportunidade de negócio já a partir de Dezembro de 2014, quatro meses após o corte da fita, perspectivando para 2015 a movimentação do minério da Zâmbia por via da infra-estrutura portuária.

Com capacidade para absorver três milhões e seiscentas mil toneladas de minerais por ano, mercê dos seus 210 metros de cais e nove hectares reservados ao armazenamento, o Porto de Minérios tem a companhia de um terminal de contentores, a mais cara das obras inauguradas pelo PR – 414 metros de cais -, que custou USD 673 milhões.

O Porto Seco, com nove hectares para parqueamento, o rebocador e a lancha rápida completam o conjunto de benfeitorias que totalizam gastos de 1 bilhão e 250 milhões de dólares, 1% do Produto Interno Bruto (PIB).

Quando se ressalta que os empreendimentos representam o suplemento do projecto de reabilitação do CFB, que custou cerca de dois mil milhões de dólares, vários analistas, sobretudo economistas, referem que é uma fortuna ainda distante do valor acrescentado para a economia angolana.

Não é crível, aliás, que a máquina comece a funcionar em 2017, ano apontado para a entrada de Angola na Zona de Comércio Livre da SADC, para a qual o Governo precisará de infra-estruturas e de uma produção interna suficiente e bastante competitiva.

Enquanto o Governo olha para os resultados do Plano Nacional de Desenvolvimento (PND), o economista Carlos Rosado vem sugerindo, como se viu num recente fórum económico, a adesão à ZCL de forma faseada, com primazia para alguns sectores da actividade produtiva.

Uma alternativa de 2 mil quilómetros – Uma das várias deliberações da 36ª Cimeira de Chefes de Estado da SADC, realizada em Agosto no Reino da Swazilândia, coloca a ligação do CFB aos ramais da República Democratica do Congo e Zâmbia, qualquer coisa como trezentos quilómetros, entre os vários projectos a executar até 2020.

Vê-se, pois, que o Terminal de Minérios do Lobito começa a gerar receitas, se for analisada a perspectiva regional, só daqui a três/quatro anos. Este período pode, todavia, vir a ser encurtado, mesmo que a alternativa para a transportação do ‘‘minério encravado’’ seja economicamente menos viável.

Aproveitando o impasse em relação à ligação ferroviária, camionistas de Benguela e de províncias congolesas estudam uma forma de fazer chegar o produto por estrada.

O empresário Octávio Pinto, membro da Associação dos Industriais de Camionagem da província de Benguela, revela que a ideia está a ser amadurecida, esperando-se que chegue à apreciação a nível dos dois Estados num curto espaço de tempo.

De acordo com a fonte, os dados iniciais indicam que camionistas angolanos chegarão até à fronteira com a RDC, onde receberão dos seus confrades a produção saída de minas. ‘’É uma forma de rentabilizar o investimento do Governo de Angola no Corredor do Lobito’’, reforça Octávio Pinto, que fala de um percurso de dois mil quilómetros, mais quinhentos do que a linha ferroviária.  (figuras&negocios)

- Publicidade -
- Publicidade -

Tadej Pogacar entrou na história da Volta a França em bicicleta

A Volta a França em bicicleta acabou no passado domingo 20 de Setembro com o triunfo de uma Nação, a Eslovénia, que conseguiu pôr...
- Publicidade -

Suíça: Educadora portuguesa acusada de maus tratos a crianças em creche

Uma portuguesa de 41 anos foi acusada de maus tratos na creche onde trabalhava na região de Lugano, na Suíça Italiana, anunciou o Ministério...

Trump diz na Assembleia Geral que a ONU deve ‘responsabilizar a China’ pela COVID-19

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse à Assembleia Geral da ONU nesta terça-feira (22) que a China deve ser responsabilizada pelo mundo por...

Morreram 90 das 270 baleias encalhadas na Tasmânia

Morreram pelo menos 90 das 270 baleias que ficaram encalhadas numa área remota da Tasmânia, no sul da Austrália, e os especialistas receiam que...

Notícias relacionadas

Tadej Pogacar entrou na história da Volta a França em bicicleta

A Volta a França em bicicleta acabou no passado domingo 20 de Setembro com o triunfo de uma Nação, a Eslovénia, que conseguiu pôr...

Suíça: Educadora portuguesa acusada de maus tratos a crianças em creche

Uma portuguesa de 41 anos foi acusada de maus tratos na creche onde trabalhava na região de Lugano, na Suíça Italiana, anunciou o Ministério...

Trump diz na Assembleia Geral que a ONU deve ‘responsabilizar a China’ pela COVID-19

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse à Assembleia Geral da ONU nesta terça-feira (22) que a China deve ser responsabilizada pelo mundo por...

Morreram 90 das 270 baleias encalhadas na Tasmânia

Morreram pelo menos 90 das 270 baleias que ficaram encalhadas numa área remota da Tasmânia, no sul da Austrália, e os especialistas receiam que...

África do Sul: Portuguesa morre no hospital após ser agredida em assalto na sua residência

Uma portuguesa de 63 anos foi violentamente agredida num assalto à mão armada à sua residência no norte do KwaZulu-Natal, África do Sul, acabando...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.