RFI e Rádio Okapi silenciadas em Kinshasa

“Inaceitável” e “preocupante” o corte das emissões da Radio France Internationale – RFI e da Rádio OKAPI da ONU em Kinshasa, considerou esta segunda-feira a França, apoiada pela ONU, Organização Internacional da Francofonia, Repórteres sem Fronteiras e Federação Internacional de Jornalistas, entre outros.

A RFI está inacessível em Kinshasa desde a noite de sexta (02/11) dia em que a coligação do opositor Etienne Tshisekedi convocou uma manifestação proibida pelas autoridades, desde então a rádio Okapi das Nações Unidas foi igualmente cortada.

A RFI é uma das rádios mais escutadas na RDC, onde os principais líderes da oposição Etienne Tshisekedy e o pastor Moïse Katumbi recusaram assinar o acordo de transição, que prevê eleições em Abril de 2018 e até lá um governo de transição, dirigido por um primeiro ministro da oposição, cujo nome deverá ser conhecido para a semana e não hoje como estipulado no acordo de 18 de Outubro, anunciaram hoje os participantes no diálogo nacional que o rubricaram.

Em causa está a contestação ao prolongamento do segundo mandato do Presidente Joseph Kabila que termina a 20 de Dezembro e que constitucionalmente não se pode recandidatar.

De recordar que no passado dia 27 de Outubro Luanda acolheu a sétima Reunião de Alto Nível sobre o Acordo Quadro da Região dos Grandes Lagos, promovida pela CIRGL ou Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos presidida por Angola, pelas Nações Unidas e União Africana e que foi dominada pela crise na RDC, mas também no Burundi, Sudão do Sul e RCA.

ATAQUE em GOMA

Entretanto em Goma no leste do país, uma criança e um capacete azul foram mortos esta terça-feira (8/11) e 32 outros capacetes azuis indianos da Monusco ficaram feridos, após uma explosão ainda não reivindicada, mas que segundo as autoridades deveria ser de origem criminosa. (Rfi)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »