Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Imprensa americana se despede do velho adversário Fidel Castro

A imprensa americana dedicou na madrugada deste sábado enormes espaços de suas edições electrónicas ao falecimento do líder cubano Fidel Castro, um adversário com o qual manteve meio século de confrontos e que sai de cena aos 90 anos.

O jornal The New York Times destacou que que Fidel foi um “líder revolucionário que desafiou” os Estados Unidos. Castro “trouxe a Guerra Fria ao hemisfério ocidental, atormentou 11 presidentes americanos e por instantes colocou o mundo à beira de uma guerra nuclear”, acrescentou.

De acordo com o jornal, Fidel “se tornou uma figura internacional cuja importância no século XX superou longamente o que podia se esperar de um chefe de Estado de uma ilha do Caribe com 11 milhões habitantes”.

O jornal Washington Post ressaltou que “embora amado por uma legião de seguidores, seus detractores viram em Fidel Castro um líder repressivo que transformou seu país em um gulag”.

Para o Los Angeles Times, Fidel foi “um ícone revolucionário cuja influência foi sentida muito além de Cuba”.

O Miami Herald, por sua vez, disse que Fidel “conduziu a ilha durante quase cinco décadas” e foi “uma figura de barba rala e uniforme de combate cuja longa sombra se estendeu pela América Latina e pelo mundo”.

O especialista Peter Schechter, do centro de análise Atlantic Council, disse à AFP na madrugada deste sábado que o falecimento de Fidel Castro “agora nos faz perguntar sobre o impacto que terá em Cuba”.

Para o especialista, desde que deixou o poder nas mãos de seu irmão Raúl em 2006 o Partido Comunista cubano preparou um processo de transição que garantiu estabilidade, de forma que não há elementos para prever mudanças significativas.

“Regionalmente, acho que continente manteve o respeito por ele, mas o superou”, avalia.

De acordo com Schechter, a reaproximação entre Estados Unidos e Cuba iniciada em 2014 por Raúl Castro e por Barack Obama “provavelmente não teria ocorrido com Fidel no governo”.

“Fidel claramente deixou que seu irmão fizesse isso”. (Afp)

Deixe uma comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »