Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

No ‘morde-assopra’ de Renan, um dia de elogios à presidenta do Supremo

Cármen Lúcia aceita pedido de perdão de senador no dia em que os poderes assinam pacto.

O presidente do Congresso Nacional, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), hasteou bandeira branca nesta sexta-feira ao Judiciário e rasgou elogios à presidenta do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, com o claro objetivo de arrefecer a temperatura da crise institucional incentivada por ele na última semana. O senador alagoano ligou para a magistrada para pedir desculpas por ter chamado um magistrado de “juizeco” e, às câmeras e gravadores da imprensa, afirmou que tem orgulho de presidir o Legislativo ao mesmo tempo em que ela comanda a mais alta corte judicial brasileira.

“Tenho muito orgulho, um orgulho que vou levar para a minha vida, de ser presidente do Congresso Nacional no exato momento em que a presidente Cármen Lúcia é a presidente do Supremo Tribunal Federal. Ela é sem dúvida nenhuma o exemplo do caráter que nós precisamos que identifica o povo brasileiro”, afirmou o peemedebista, que responde a 11 inquéritos no STF, em um breve pronunciamento à imprensa. Na semana que vem, a presidenta do Supremo agendou a análise de um processo que pode vetar a presença de réus na linha sucessória da Presidência brasileira. Em última análise, esse processo poderia levar Renan a deixar o comando do Senado.

As sinalizações de paz e a busca por uma harmonia institucional, após uma semana de tensão, ocorreram durante uma reunião entre representantes dos três Poderes para assinar um Pacto Nacional pela Segurança Pública, nesta sexta-feira, na sede do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília. O encontro corria o risco de não acontecer justamente pela conduta belicosa de Renan Calheiros. A ida da presidenta do STF ao encontro tranquilizou os demais presentes. Cármen Lúcia, no entanto, fez questão de marcar distância num momento em que o Supremo terá papel crucial em meio investigações não apenas sobre Renan, mas sobre várias outras grandes autoridades brasileiras: ela não participou do almoço oferecido na sequência da reunião de trabalho.

O morde-assopra do presidente do Senado começou na sexta-feira passada, quando ele reclamou de A Operação Métis, da Polícia Federal, que prendeu quatro agentes da Polícia Legislativa por suspeita atrapalharem investigações da Lava Jato contra dois senadores e dois ex-senadores. A tentativa de blindagem, de acordo com a apuração que está suspensa temporariamente, seriam Fernando Collor (PTC-AL), Gleisi Hoffmann (PT-PR), José Sarney (PMDB-AP) e Lobão Filho (PMDB-MA). Quando Calheiros xingou o juiz Vallisney Oliveira, Cármen Lúcia reclamou. “Todas as vezes que um juiz é agredido, eu e cada um de nós juízes somos agredidos”. Ela aceitou o pedido de perdão.

A mudança de comportamento do senador, de críticas à declarações harmoniosas, só ocorreu, também, depois que o ministro Teori Zavascki suspendeu temporariamente a operação Métis – o ministro considerou que o STF precisa analisar se era competência dele ou da primeira instância autorizar uma operação do gênero no Senado.

Pacto de segurança

O pacto pela segurança foi firmado pelo presidente Michel Temer (PMDB), pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pelo Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, além de Renan Calheiros e de Cármen Lúcia. Ele precede ao Plano Nacional de Segurança Pública, que ainda será lançado pelo Ministério da Justiça.

No encontro, os três poderes se comprometeram a ampliar medidas de segurança pública principalmente para reduzir os índices de homicídios e a violência contra as mulheres. No Brasil, conforme dados do Fórum Brasileiro de Segurança, a cada nove minutos uma pessoa é assassinada. O ano de 2015 terminou com 58.000 vítimas de homicídios dolosos.

De acordo com o ministro Raul Jungmann, da Defesa, nos próximos meses, os governadores e secretários de Segurança Pública dos Estados participarão dos debates. Um dos focos dos debates será reduzir a superlotação carcerária com o auxílio do Judiciário e do Ministério Público. O Governo quer evitar que presos provisórios, sem antecedentes criminais, que não tenham cometido crimes com violência, ocupem mais vagas nos presídios. “Eles poderiam cumprir penas alternativas”, disse Jungmann.

O presidente Temer anunciou ainda que 788 milhões de reais do fundo penitenciário serão usados para aprimorar e construir novas prisões. Uma outra proposta apresentada na reunião de ontem é a de autorizar policiais do Mercosul a prenderem suspeitos além de suas fronteiras. Já há um acordo nesse sentido, mas nunca foi implementado.

Com relação ao Legislativo, os senadores e deputados poderão abrir nos próximos dias uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a participação do crime organizado nas eleições municipais. Suspeita-se que aumentou a interferência dessas organizações depois que empresas privadas foram proibidas de fazer doações eleitorais. (El Pais)

por Afonso Benites

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »