Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Manuel Jorge: O ideal renascentista e reconciliador de um intelectual angolano no Exílio

Da estrita convivência que tivemos com o Doutor Manuel Jorge, tanto em França como esporadicamente em Angola, ficou manifesto o ideal renascentista e reconciliador daquele que foi colaborador do jornal Cultura, nacionalista e intelectual angolano no exílio em Paris desde os anos 70.

Hoje, quando nos chega a dolorosa e inesperada notí- cia da sua morte, recordamos, em jeito de singela homenagem, a ilustre figura do nacionalista e sério investigador da Cultura e do Direito, um homem cordato e humilde, incapaz de qualquer revanchismo político. Daí ter afirmado, um dia, em entrevista: “Eu sinto-me bem, sinto-me cidadão do país e por isso mesmo posso me sentir também bem com os outros.

Eu quero o meu bem e quero também o bem dos outros”. O ideal de renascimento que o movia manifestou-se na condução exitosa da Casa de Angola em Paris, onde foram organizados vários debates sobre temas candentes sobre o estado da Nação e os caminhos a seguir.

A sua postura conciliadora fê-lo tecer considerações como esta: “a identidade não se afirma já como um acto negativo, quer dizer a luta contra alguém, mas a identidade afirma-se como um acto positivo, estar com alguém, como é que podemos estar juntos, mostrar que somos todos angolanos.

É isso que se chama a reconciliação nacional e/ou a criação da unidade nacional”. O seu amor por Angola inspirou-lhe a redacção do livro Para Compreender Angola, onde defende que a solução do problema social angolano constitui uma das sete chaves do desenvolvimento de Angola.

A sua dedicação ao Ensino levá-lo-ia a produzir uma obra sobre Direito Comercial. Mas escreveu uma série de artigos e ensaios sobre Direito, bem como prelecções em torno da Literatura e da Cultura angolana.

A CONSTRUÇÃO DA ANGOLANIDADE

Em O Papel dos Escritores Angolanos na Construção da Identidade Nacional, Manuel Jorge diz que “no combate para a construção da Identidade Nacional, os escritores sempre estiveram presentes. (…) Manuel Jorge conclui que, na sua Proclamação, adoptada em 1975, a União dos Escritores Angolanos, havia constatado, dentre outras, “a necessidade e a urgência de activar, a partir dessas tradições e conquistas, o inventário cultural do País, no contexto particular do renascimento cultural africano, como contribuição original para um mundo verdadeiramente livre.

Tratava-se, no fundo, de uma incitação à pesquisa dos elementos susceptíveis de permitir a Construção da Angolanidade. E, com efeito, a questão tinha sido enunciada, desde 1962, por Mário Pinto de Andrade, nos termos seguintes: «Como assegurar o renascimento cultural dos países anteriormente colonizados?

Que espaço deverá ser reservado à tradição? Como elaborar uma cultura africana original que tenha conta, ao mesmo tempo, a tradição e das aquisições da Civilização Moderna?» A essas questões, graves e profundas, Viriato da Cruz, trouxe alguns dados suplementares, quando dizia: «Os colonizadores portugueses não negam a existência de uma cultura negra; o que eles negam, através de uma argumentação que eles intitulam de «científica» e «definitiva» e, mesmo nos actos – o que é mais importante – é que tais culturas possam servir de base a verdadeiras e novas civilizações».

Compreende-se, pois, a razão pela qual a luta de Libertação Nacional foi também uma luta pela Identidade Nacional. Porque, no fundo, a soberania não é senão o resultado do esforço feito por uma comunidade, que decide a utilizar, para melhor afirmar a sua existência e a sua originalidade. (…) A realidade política e social de Angola evoluiu muito, antes mesmo que a independência tivesse sido proclamada. Mas, sobretudo, depois que a independência fora proclamada. (…)

É, pois, a aculturação, independentemente da forma como foi introduzida (forçada, espontânea, natural ou controlada) que exige, que a cultura angolana seja analisada como um «fenómeno social total». (…) Luanda, já não é a «Ilha Crioula», que Mário António de Oliveira descreveu, retomando o delicioso título de Paixão Franco. Onde está o «Muceque Burity», que cantou Tomás Vieira da Cruz?

Onde estão as «cubatas velhas, vermelhas, com o tecto velho, vermelho e o neto da Ximinha ximbicando na lagoa», que Eleutério Sanches imortalizou? Não, o tempo mudou! É preciso ir mais longe: abrir as portas do futuro, elaborar as condições de uma vida nova, que só os poetas, os escritores, os intelectuais podem imaginar. Como dizia Agostinho Neto: «Temos que ser nós mesmos».

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

A Identidade Nacional é um ideal em construção. É por isso que concluí- mos, fazendo nossas as exortações de Maurício Gomes e homenageando, assim, os escritores angolanos: Com letras de ouro, Escreve negro, Escreve irmão, A palavra União. E o que nos une são as nossas diferenças, porque somos todos «Filhos da Pátria», para retomar a expressão de João Melo”, assim conclui o seu ensaio sobre Literatura .

PERFIL

Manuel Jorge nasceu em Luanda aos 2 de Janeiro de 1948, onde concluiu o ensino secundário no Liceu Salvador Correia. Estudou Direito na Universidade de Coimbra. Participou na luta de libertação nacional, em Cabinda.

Auto-exilado em Paris desde 1974, dedicou-se ao ensino do Direito na Universidade Paris Sorbonne René Descartes, advogado em Paris, presidente da Casa de Angola em França e membro do Conselho de Administra¢ção da ENAD em Angola. Tem obras publicadas sobre direito, sociologia, economia e literatura. O ilustre jurista e professor universitário faleceu, há duas semanas, em Paris. (cultura)

Por: José Luís Mendonça

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »