E.U.A.: Cisão interna no primeiro dia da Convenção Nacional Democrata

A Convenção Nacional do Partido Democrata onde Hillary Clinton deverá receber a nomeação oficial enquanto candidata começou e as divisões internas agudizaram-se.

Ao som do nome da ex secretária de Estado da Defesa na boca do padre cristão que liderou a oração de abertura, a vaia dos apoiantes de Bernie Sanders, o rival excluído da corrida, ecoou em Filadélfia.

Na sexta feira, a WikiLeaks revelou milhares de emails onde a preferência do partido por Clinton e as tentativas de minar a campanha de Sanders eram claras. Na sequência do escândalo, a presidente da convenção nacional, Debbie Wasserman Schultz, demitiu-se.

Os apoiantes de Sanders manifestavam-se confusos com declarações como: “O que faço é esperar para decidir. Vou esperar e ver como isto corre. Dizer o que farei daqui a uns meses é insensato quando toda esta campanha tem sido literalmente caótica.” ou “Sou um total apoiante de Bernie Sanders, mas não quero o Trump. É só isto que posso dizer.”

Sanders queixou-se várias vezes durante as primárias sobre a actuação da liderança do partido contra ele.

Agora que saiu da corrida e apoiou na segunda feira Hillary Clinton sendo também vaiado por isso, a equipa de Clinton minimiza a reacção aos emails agora tornados públicos e tentam sublinhar a unidade na escolha da candidata: “As primárias democráticas não foram decididas por pensamentos aleatórios, trocados em emails por responsáveis do Congresso Nacional. Foram decididas nas urnas por todos os democratas e independentes que participaram nas primárias e votações durante os últimos meses.”, diz Brian Fallon, porta voz da campanha da ex secretária de Estado.

Não contar com os votos dos apoiantes de Sanders em Clinton é um risco para o Partido Democrata, adianta Jay Inslee, governador de Washington: “Estou confiante de que seremos um grupo unido a caminho de Novembro. Não há desculpa para deixar Donald Trump destruir a história dos Estados Unidos como sendo um farol de esperança.”

Confiança é a palavra chave para os eleitores americanos a esta altura. Entre uma campanha incendiária do republicano Donald Trump e as cisões que também se verificam no partido democrata, as eleições de 8 de Novembro parecem de decisão difícil, como diz à Euronews Stefan Grober, correspondente em Washington DC: “Bernie Sanders está agora completamente do lado de Hillary Clinton, mas os seus apoiantes mais ferrenhos não. Alguns deles ameaçam debater-se até ao fim com a nomeação de Tim Kaine como candidato vice presidencial. Assim vai a unidade do Partido.”

Tanto, que a presidente da convenção teve de pedir que as vaias parassem. Foi um primeiro dia na convenção nacional democrata tão surpreendente que a presidente da câmara de Baltimore, Stephanie Rawlings-Blake, teve de voltar ao palco depois da sua intervenção: tinha-se esquecido de dar as tradicionais pancadas que marcam a abertura oficial da convenção. (EURONEWS)

1 comentário
  1. Santos Juvencio Diz

    Eu acho que cliton pode ser melhor em termos de carinho, Donald pode ser melhor em termos de economia, no entanto,todos sao importante!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »