Cientistas podem ter encontrado a chave para a cura do autismo, câncer e HIV

A ferramenta de edição de genes CRISPR-Cas9 tornou possível isolar o ARN das células vivas, pela primeira vez.

As mutações no ARN estão ligadas ao autismo, ao câncer e à síndrome do X frágil.

As curas para algumas das doenças mais intrigantes do mundo podem estar mais perto do que pensamos.

De acordo com um estudo publicado na Cell, os pesquisadores concluíram como isolar e editar o RNA, mensageiro que transporta as instruções genéticas do núcleo da célula para produzir novas proteínas, usando a ferramenta de edição de genes chamada CRISPR-Cas9 (Clustered Regularly Interspaced Short Palindromic Repeats, em inglês).

De acordo com um estudo publicado em Março na revista Nature, os pesquisadores já haviam usado essa ferramenta para remover o HIV de células imunes humanas e deter a replicação do vírus HIV em forma permanente.

“Isso abre uma nova área em nossas considerações sobre a manipulação dos genes e doenças”, declarou Gene Yeo, professor associado de medicina molecular da Universidade de San Diego, EUA e principal autor do estudo, à Discovery. “Há muitas doenças que não permitem editar o genoma, você pode apenas dividi-lo em fragmentos. Mas aqui estamos fazendo engenharia de transcrição ou edição. Isso é muito emocionante.”

A técnica de edição de genes pode levar a tratamentos para doenças ligadas ao RNA defeituoso, para as quais antes não existia nenhum tratamento. Essas doenças incluem certos tipos de câncer, síndrome do X frágil e autismo.

A ferramenta CRISPR-Cas9 também pode ser usada para editar os genes que determinam nossas características físicas e talvez até mesmo a nossa personalidade, levando a questões éticas sobre o uso responsável dessa tecnologia.

A Discovery relata que a Academia Nacional de Ciências está elaborar um conjunto de regras éticas que contemplam esse campo promissor. (YAHOO)

por Rachel Dicker

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »