Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

UE valida limitação de ajudas a migrantes europeus no Reino Unido

A justiça europeia deu razão nesta terça-feira ao Reino Unido ao conceder o direito de limitar algumas ajudas sociais aos migrantes europeus, um dos temas mais sensíveis na campanha do referendo sobre a permanência do país na União Europeia (UE).

“O Reino Unido pode exigir que os beneficiários do bónus familiares e do crédito no imposto por filho tenham o direito de residência no Estado”, afirmou o Tribunal de Justiça da UE.

O requisito pode ser considerado uma “discriminação indirecta”, mas está “justificado pela necessidade de proteger” os cofres públicos, completou o tribunal.

Com a decisão, o Tribunal de Justiça rejeita o recurso apresentado pela Comissão Europeia em 2014, com o qual pedia a condenação de Londres pelo requisito adicional imposto pelo Reino Unido para conceder benefícios sociais aos cidadãos da UE, algo que considerava discriminatório e contrário à legislação comunitária.

No sistema britânico, as autoridades verificam primeiro se a pessoa reside legalmente no país antes de conceder o direito aos benefícios. Mas para a Comissão, a legislação comunitária “só leva em consideração a residência habitual do solicitante”.

As ajudas sociais para os migrantes europeus estão entre os temas cruciais da campanha do referendo britânico de 23 de Junho sobre a permanência do Reino Unido na UE.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, iniciou há alguns meses uma renegociação das condições de adesão do país à UE com o objectivo de convencer o eleitorado britânico a votar pela permanência no bloco. O enfoque restritivo dos benefícios sociais familiares foi um dos pontos da renegociação.

Os novos dispositivos, decididos pelos outros 27 Estados da UE em uma reunião em Fevereiro e que entrarão em vigor se o Reino Unido decidir permanecer no bloco, dão a possibilidade a Londres de congelar os benefícios no caso de um grande fluxo de trabalhadores de outros países da União Europeia.

Também limitam o valor das ajudas que podem ser enviadas pelos trabalhadores europeus por cada filho que permaneceu no país de origem. (AFP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »