Justiça sueca mantém ordem de detenção europeia contra Assange

Um tribunal da Suécia decidiu manter a ordem de detenção europeia contra Julian Assange, por não concordar com o painel da ONU que considerou que o fundador do WikiLeaks era vítima de “detenção arbitrária”.

“O tribunal considera que Julian Assange continua sendo suspeito de estupro […] e que continua existindo um risco de fuga ou de que evite a justiça”, afirma a corte de Estocolmo em um comunicado.

Assange, refugiado na embaixada do Equador em Londres desde meados de 2012, é objecto de uma ordem de detenção emitida pela Suécia como parte de uma investigação por estupro, após a denúncia apresenta por uma mulher em Estocolmo em 2010.

O australiano conseguiu uma vitória importante em Fevereiro, quando o Grupo de Trabalho das Nações sobre a Detenção Arbitrária considerou que a Suécia e o Reino Unido infringiam seus direitos fundamentais.

Mas tanto o promotora sueca responsável pelo caso de estupro, que deseja interrogar Assange, como a polícia britânica, que tem a ordem de aplicar a ordem de detenção se o australiano deixar a embaixada equatoriana, rejeitaram a decisão.

Os juízes de Estocolmo deram razão à promotoria.

“Como Assange não deseja submeter-se à ordem de detenção e não surgiu nenhum elemento novo no caso, o tribunal não encontrou nenhuma razão para reexaminar a ordem de detenção”, afirma a nota oficial.

A promotoria se declarou satisfeita com a decisão e afirmou que continua negociando com as autoridades equatorianas para poder interrogar Assange em Londres, em uma data que ainda não foi definida. (AFP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »