Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Defendido empenho de todos em prol da equidade do género

A directora nacional dos direitos da mulher, Maria Soledade Dores Augusto, defendeu hoje, sexta-feira, em Luanda, que todos devem trabalhar juntos para se atingir sociedades equilibradas para o desenvolvimento da unidade em prol da equidade do género.

A responsável fez esta afirmação numa palestra dirigida aos adidos militares acreditados em Angola sobre “Os direitos da mulher na sociedade”.

Para a directora, é preciso trabalhar para a valorização da mulher, situação que passa pela educação, formação profissional e informação, no sentido de elas terem acesso as novas tecnologias e desta forma contribuirem para o desenvolvimento do país.

“A maior promoção que todos devemos ter, em especial a mulher, é o ensino e formação para se atingir patamares altos”, ressaltou.

Acrescentou que a violência doméstica e conjugal, o casamento precoce impede o desenvolvimento da mulher, numa altura em que no continente africano os direitos da mulher ainda não são plenos.

“África ainda tem muito que caminhar para melhorar a situação. Angola está bem, mas podemos estar melhor no que toca ao avanço da mulher na política, economia e outros sectores”, disse.

Realçou que em 2015 a instituição registou em todo o país 25 mil e 514 casos contra 16 mil e 600 do ano anterior, o que constitui uma preocupação, pois querem ver resolvidas as questões familiares.

Maria Augusto disse ainda que as mulheres devem conquistar o seu espaço e não lutar para que os homens lhes cedam o lugar, pois os homens não vão deixar de mãos vazias o poder que sempre tiveram em mãos.

A comitiva dos adidos militares foi antes recebida pela secretária de estado da Família e Promoção da Mulher, Ana Paula do Sacramento, que agradeceu o gesto, bem como fizeram uma visita guiada as instalações do ministério.

Efectuaram a visita nove dos 16 adidos militares residentes no país: China, Cuba, Brasil, França, Congo, Rússia, Argentina, Namíbia e África do Sul. (ANGOP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »