Portal de Angola
Informação ao minuto

Fotografia: Exposição fotográfica “Rostos de Timor” de António Cotrim na Amadora

Exposição de fotografia "Rostos de Timor" de António Cotrim, fotojornalista da Agência Lusa Foto: Lusa/D.R

A exposição de fotografia “Rostos de Timor” de António Cotrim, fotojornalista da Agência Lusa, distinguido com o Prémio Gazeta 2014, é inaugurada na próxima sexta-feira, na Amadora, nos arredores de Lisboa.

A exposição irá estar patente até 31 de março, na Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos, na Reboleira, avenida Conde Castro Guimarães, naquela cidade.

“Rostos de Timor” reúne 24 fotografias que “mostram a nobreza do povo timorense”, afirma em comunicado a autarquia.

“Uma singela homenagem aos homens e mulheres de Timor que sofreram, lutaram e morreram pela liberdade e independência de uma terra que amavam e à qual queriam chamar ‘o meu país'”, disse o fotojornalista à Lusa.

Após 24 anos de ocupação pela vizinha República da Indonésia, Timor-Leste tornou-se independente, em setembro de 2002.

A “marca de sofrimento e ao mesmo tempo de esperança”, que António Cotrim encontrou nos rostos que fotografou em 2007 em Timor-Leste, fez surgir a ideia de realizar esta exposição, afirmou o fotojornalista.

A primeira versão desta exposição foi apresentada em Lisboa, no Centro Nacional de Cultura, em outubro de 2011, tendo entretanto passado por outros espaços, como a galeria do café Santa Cruz, em Coimbra, a galeria Municipal de Vila Nova de Ourém, o Museu de Arte Sacra de Fátima e a galeria municipal de Alcochete.

António Cotrim começou a trabalhar na área da comunicação social em 1974, tendo passado pelas agências noticiosas Lusitânia, ANOP, Notícias de Portugal e, atualmente, Lusa. Colaborou também com o semanário Tal & Qual e o desportivo Record.

Referindo-se à reportagem feita em 2007, António Cotrim afirmou: “O que mais me marcou em Timor foi o povo que, após longos anos de sofrimento, enfrenta o dia-a-dia com um sorriso nos lábios. E marcou-me imenso a alegria do povo de Lorosae, por ouvir e falar português”.

No texto que acompanha a exposição lê-se: “As fotografias de António Cotrim revelam a capacidade de fixar uma imagem que emociona, que nos afeta e comove. Um rosto que surge definido e luminoso na sagacidade de quem captou o instante”.

O fotógrafo, além do Prémio Gazeta 2014, foi já distinguido com duas menções honrosas, uma do Clube Português de Imprensa, na categoria de fotorreportagem, em 2001, e outra do Prémio Europeu de Fotografia Fujifilm, na categoria de desporto, em 2004.

A mesma nota refere que o “talento e trabalho” de António Cotrim têm sido “reconhecidos com a publicação de fotografias de sua autoria em vários livros, folhetos, catálogos e postais, sem contar com as inúmeras edições em jornais e revistas, tanto nacionais como internacionais”.

Quanto à experiência profissional de Timor-Leste, o fotógrafo afirmou que guarda “com gratidão” a memória “de um povo que, nada tendo, não hesita dar o coração, para acolher quem o visita”. (Agência Lusa – NL/MAG)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »