Vida mais cara em Angola em 2016

A economia angolana deverá crescer este ano 3,3%, menos de metade do período pré-crise, diz o Banco Mundial. O custo de vida será mais caro em 2016, prevê economista. A subida de preços já pesa no bolso da população.

Angola deverá acelerar ligeiramente a expansão económica em 2016, passando de 3% em 2015 para 3,3% este ano, o que representa um crescimento de menos de metade do período pré-crise petrolífera, de acordo com as “Perspectivas Económicas Globais” do Banco Mundial, divulgadas quarta-feira (06.01) em Washington.

O abrandamento do crescimento económico “foi mais pronunciado entre os exportadores de petróleo”, nomeadamente Angola e Nigéria, os maiores exportadores da região, lê-se no documento.

Antes de serem conhecidas das previsões do Banco Mundial, os angolanos sentiam já as dificuldades da economia: a 1 de Janeiro registou-se o quarto aumento no preço dos combustíveis em menos de dois anos. A população teme que haja mais subidas e o encarecimento do custo de vida.

A DW África conversou sobre as perspectivas económicas para o país em 2016 com o economista angolano Francisco Paulo, investigador do Centro de Estudos e Investigação Científica (CEIC) da Universidade Católica de Angola.

DW África: Em Angola, o ano começou com a subida do preço dos combustíveis. E também já se temem outros aumentos. O que é que isto poderá representar para os cidadãos?

Francisco Paulo (FP): Na verdade, o custo de vida será muito caro. Não tem sido fácil, especialmente no último ano. Em meados de 2015, a flutuação da taxa de câmbio e mesmo os aumentos anteriores do preço dos combustíveis fizeram com que, em termos reais, a população tivesse um poder de compra muito reduzido. A taxa de inflação está muito mais alta em relação aos anos anteriores. Estamos num país em que a rede eléctrica nacional não funciona devidamente. Há sistematicamente cortes de energia. O normal é as pessoas não terem electricidade da rede pública. Então, recorrem ao uso de geradores. Imagine o que é todos os dias ter de comprar combustível para abastecer o gerador, porque senão o frigorífico não funciona e não têm como conservar os seus frescos.

DW África: E em termos de perspectivas económicas, podemos esperar um ano difícil para Angola?

FP: Podemos. E creio que o Governo vai ter de rever em baixa a taxa de crescimento. Ele prevê que eventualmente a economia cresça 4% ou 3%.

DW África: E como é que esta situação difícil em que o país se encontra poderia ter sido evitada?

FP: Desde o boom do preço do petróleo, desde que o país conseguiu a paz em 2002, depois tivemos uma época favorável no preço do petróleo. Podíamos muito bem ter acumulado reservas, que iam fazer face a essa situação. Há necessidade de gerir o erário público de uma forma transparente e evitar os gastos supérfluos.

A contenção das despesas tem de começar no aparelho governamental. E tem de ser mais transparente. Até agora, o Governo ainda não prestou contas. Sempre que o petróleo esteve em baixa, o preço do petróleo no Orçamento foi sempre muito abaixo do preço do mercado. Houve sempre um remanescente. Onde está o excesso? Ninguém sabe.

DW África: Também há notícias de que o kwanza desceu 15% no mercado oficial. Nunca perdeu tanto valor desde a guerra civil. O que perspectiva para a moeda angolana nos próximos tempos?

FP: A nossa moeda está em queda livre, de facto. O Banco Nacional de Angola (BNA) ficou quase dois ou três meses sem mexes na taxa de câmbio. Mexeu agora, logo no princípio de dezembro. O BNA poderá ou vai desvalorizar ainda mais o kwanza, porque o “spread” (diferença) entre o que o mercado paralelo pratica e o que pratica o sistema bancário pode estar acima dos 70%. Em qualquer país normal, a desvalorização da moeda é uma boa política em termos económicos, se este país exportar. Infelizmente, nós não exportamos quase nada.

O único produto de excelência que exportamos é o petróleo. Por isso, daqui a mais algum tempo, o próprio BNA terá de desvalorizar novamente a moeda para conter as reservas internacionais líquidas. Por que é que isso não foi feito antes? A taxa de inflação nos meses de Setembro e outubro aumentou significativamente. Alterar essa taxa em outubro ou Novembro poderia ter como impacto uma subida geral de preços. Faria com que o pais, Luanda especialmente, registasse uma inflação muito acima da prevista pelo Governo.

DW África: Este ano, Angola também vai começar a usar a nova linha de financiamento da China. E está igualmente previsto um acordo monetário entre os dois países. Como acha que o Estado angolano vai responder a este aumento da dependência económica em relação à China?

FP: A China é neste momento o principal parceiro comercial de Angola. O próprio processo de reconstrução nacional foi feito com um empréstimo chinês. O retorno social que obtemos das infra-estruturas que foram construídas com dinheiro chinês é muito baixo, porque a qualidade das mesmas deixa muito a desejar. Iremos ganhar mais com esse acordo se a qualidade das obras que são executadas for, de facto, de um padrão internacional. É preciso que seja durável e que o retorno económico seja aceitável.

Quanto ao novo acordo monetário com a China, é uma forma de Angola escapar da armadilha do dólar. Em termos cambiais, isso iria aliviar o sistema financeiro, porque os angolanos ao irem para a China, em vez de levar dólares, poderão comprar produtos com kwanzas ou levar ienes daqui e comprar na China. Isso vai facilitar no sentido em que não haverá tanta pressão de comprar dólares para se fazer importações da China. (DW)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »