Casa-CE diz que OGE não revela a diversificação da economia

A Casa-CE considera que o Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2016 é mais um indicador de que o discurso da diversificação da economia não passa de uma invenção.

A coligação liderada por Abel Chivukuvuku diz que a agricultura, um dos sectores alternativos ao petróleo, recebe 1 por cento do OGE, uma cifra muito aquém do estabelecido para a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Ainda assim, refere que o país tem fundos para investir na produção interna, incluindo o Soberano, gerido, conforme realça, sob atropelos à Lei da Probidade Pública.

No rescaldo de uma visita à província de Benguela, o secretário-geral Leonel Gomes afirmou que o OGE para 2016, à semelhança do anterior, é irrealista, uma vez desajustado ao contexto internacional.

A vaticinar uma revisão já em Março, o deputado prefere não acreditar que um sector vital como o da agricultura receba apenas 1 por cento do bolo, abaixo dos 15 praticados na SADC.

Contudo, Leonel Gomes avança que este impasse não deve servir de pretexto, dada a existência de fundos para a resposta que se impõe à excessiva taxa de importações.

“Temos o Fundo Soberano, que é gerido pelo filho do Presidente da República, violando a Lei da Probidade Pública”, justifica o político, que lamenta o facto de a lei estar a ser violada pelo número um do país.

Na sua óptica, a solução está à vista de todos, pelo menos daqueles que procuram conhecer o país real

Gomes pergunta se “não seria melhor apostar em empresários da agro-pecuária.

Ele revela existir milhares de hectares de terra cercados, até com populações no interior, que são ocupadas por figuras do MPLA. (VOA)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »