- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Análise Isabel dos Santos dá 100 milhões ao BPI

Isabel dos Santos dá 100 milhões ao BPI

O BPI valorizou esta segunda-feira cerca de 100 milhões de euros em bolsa com a proposta da Unitel, empresa angolana detida em 25% por Isabel dos Santos, para comprar 10% do capital social do Banco Fomento Angola (BFA) por 140 milhões de euros.

A proposta da empresa da filha do presidente de Angola irá ser analisada pela administração do BPI, que tem agora uma segunda alternativa para a redução da exposição ao risco africano imposta pelo BCE.

Na sessão bolsista desta segunda-feira, as ações do BPI dispararam 6,32%, atingindo uma cotação de 1,16 euros por ação. Num dia marcado pela queda nas bolsas mundiais, os títulos do banco registaram a maior valorização desde 1 de outubro de 2015. Para esta valorização do BPI contribuiu, segundo os analistas, a proposta de compra de 10% do BFA apresentada pela empresa que tem como acionista Isabel dos Santos.

Se esta proposta for aceite, o BPI reduzirá a sua posição no BFA de 50,1% para 40,1%. Para já, o conselho de administração do BPI vai reunir-se em breve para analisar a proposta de Isabel dos Santos.

Já antes, em comunicações enviadas ao mercado, o banco tinha dado a entender que se surgisse uma proposta alternativa à cisão dos ativos africanos iria apreciá-la. “Até aqui, não havia uma proposta alternativa do lado angolano. Havia uma manifestação pública de desacordo, mas não havia uma alternativa.

Há agora um período de negociação que se inicia”, explicou ao CM fonte conhecedora do processo. Ao que o CM apurou, a posição de Isabel dos Santos é vista como um avanço face à postura inicial da empresária, já que a simples rejeição da proposta de cisão – defendida desde o início pela Unitel – acabaria por resultar num bloqueio da segunda maior acionista à proposta da administração, que será votada a 5 de fevereiro.

Segundo fontes do setor financeiro, a administração do BPI irá agora avaliar se a proposta da Unitel responde às imposições do BCE, que quer ver o BPI diminuir a exposição ao risco angolano. A operação de cisão visa retirar da alçada do BPI a participação de 50,1% no BFA, passando essa participação para uma sociedade africana autónoma. (cmjornal)
Por: António Sérgio Azenha, Diana Ramos

- Publicidade -
- Publicidade -

“Não há garantia de que uma única vacina em desenvolvimento funcione”

O director-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) fez há instantes uma conferência de imprensa onde sublinhou a importância da instituição no combate a...
- Publicidade -

As chaves para um Sahel pacífico

O Dia Mundial da Paz deve ser um dia que inspira esperança aos sahelianos, e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) está...

Desvendada a causa da misteriosa morte de 300 elefantes no Botswana

Uma cianobactéria foi a causa da misteriosa morte de cerca de 300 elefantes no Botswana em meados deste ano, anunciou hoje o Governo. Acausa da...

Guiné Equatorial exige reformas na ONU e critica primazia do poder

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, pediu hoje a renovação e modernização do sistema da Organização das Nações Unidas (ONU), tecendo...

Notícias relacionadas

“Não há garantia de que uma única vacina em desenvolvimento funcione”

O director-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) fez há instantes uma conferência de imprensa onde sublinhou a importância da instituição no combate a...

As chaves para um Sahel pacífico

O Dia Mundial da Paz deve ser um dia que inspira esperança aos sahelianos, e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) está...

Desvendada a causa da misteriosa morte de 300 elefantes no Botswana

Uma cianobactéria foi a causa da misteriosa morte de cerca de 300 elefantes no Botswana em meados deste ano, anunciou hoje o Governo. Acausa da...

Guiné Equatorial exige reformas na ONU e critica primazia do poder

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, pediu hoje a renovação e modernização do sistema da Organização das Nações Unidas (ONU), tecendo...

Jovem malaia luta pelo direito de não usar véu islâmico

A decisão de deixar de usar o véu islâmico e denunciá-lo como uma obrigação patriarcal valeu a Maryam Lee muitas críticas e uma investigação...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.