Petrolíferas norte-americanas vão “varrer” milhares de milhões de barris das suas contas

Os produtores norte-americanos de petróleo de xisto vão ter de ajustar em baixa, nas suas contas, muitas das suas reservas provadas. Isto porque as normas obrigam a que explorem os poços dessas reservas, o que, aos preços actuais, não compensa.

É longa a mancha de xisto que se espalha por todo o território norte-americano. Só a produção total de crude proveniente das sete principais formações de rocha betuminosa nos Estados Unidos – Bakken, Eagle Ford, Haynesville, Marcellus, Niobrara, Permian e Utica – ronda os cinco milhões de barris diários. Mas… já foi muito mais. Com efeito, dados os baixos preços do petróleo no último ano, a extracção de “shale oil”, que é o petróleo obtido a partir do xisto betuminoso, tem diminuído.

A estratégia adoptada pelos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) – deixar os preços cair, sem intervirem directamente com um corte na produção total do cartel, para que os EUA não consigam suportar os custos da produção a partir do xisto betuminoso – tem funcionado. Os produtores norte-americanos têm demonstrado uma resiliência com que talvez a OPEP não contasse, mas o certo é que as dificuldades têm vindo a aumentar [não só para eles, note-se, pois os próprios membros do cartel têm visto as suas receitas diminuírem fortemente, havendo casos, como o da Venezuela, em que essa perda de receita é dramática].

No entanto, apesar da resiliência norte-americana, é cada vez mais difícil sustentar esta actividade aos preços actuais – há já algumas sessões que o “ouro negro” negoceia perto de mínimos de 2009. Esta quinta-feira, 10 de Dezembro, o crude de referência dos EUA, o West Texas Intermediate, rondou os 37 dólares por barril, e o “benchmark” para as importações europeias (Brent do Mar do Norte) quebrou a fasquia dos 40 dólares no mercado londrino.

Além desta dificuldade aliada à queda dos preços de um produto que a 11 de Julho de 2008 negociava em máximos históricos, na casa dos 147 dólares por barril, os produtores norte-americanos vêem-se a braços com mais uma preocupação: vão ter de ajustar em baixa, nas suas contas, muitas das suas reservas provadas. Isto devido a uma norma da Securities and Exchange Commission (SEC – autoridade reguladora do mercado de capitais dos EUA, à semelhança da CMVM em Portugal) que entrou em vigor em 2009.

Recuando no tempo, muitas empresas norte-americanas fizeram “lobby”, em pleno “boom” do petróleo de xisto, para poderem reivindicar o seu amplo potencial subterrâneo. A SEC acedeu e em 2009 introduziu uma alteração às normas contabilísticas, facilitando assim às empresas a reivindicação de reservas de poços que não seriam prospeccionados durante anos, conforme lembra a Bloomberg.

Resultado: os inventários praticamente duplicaram e os investidores apostaram bastante dinheiro nesta expansão do petróleo de xisto. Só que a norma tem um senão: exige que os poços por perfurar sejam rentáveis a um preço determinado por uma fórmula da SEC (que no ano passado apontava para 95 dólares por barrl) e que sejam prospeccionados num prazo de cinco anos.

Ora, com a diminuição crescente da produção, devido à descida das cotações do crude, as empresas estão a ver-se obrigadas a ajustarem à dura realidade económica as reservas petrolíferas que reportaram, salienta a Bloomberg.

De facto, a “revolução do xisto” colocou os EUA mais perto da auto-suficiência em energia do que em qualquer outra altura desde a década de 1980, mas foi “patrocinada” com dinheiro emprestado com base nas promessas sobre a produção futura. Acontece que os novos poços aptos a serem prospeccionados quando o preço do petróleo estava a ser vendido a 95 dólares por barril (o tal preço calculado pela fórmula da SEC) já não compensam ao preço actual. E apesar de o preço do barril estar a 95 dólares no final de 2014, já tinha quebrado o patamar dos 50 dólares quando as empresas reportaram as suas reservas, em Fevereiro e Março deste ano.

“O tempo chegou ao fim, os preços estão em queda e a norma [da SEC] está prestes a ‘varrer do mapa’ milhares de milhões de barris das reservas dos prospectores de xisto”, adverte a Bloomberg.

Só a Chesapeake Energy Corp., fundada por Aubrey McClendon, pioneiro do “fracturamento hidráulico [o chamado “fracking”] – que consiste na injecção de um fluido a alta pressão, no subsolo, para facilitar a extracção de crude – vai ter de eliminar 45% (equivalente a 1,1 mil milhões de barris) do seu inventário, sendo uma das maiores perdedoras.

Outros exemplos apontados pela Bloomberg referem a Bill Barrett Corp., que verá desaparecer dos seus balanços 40% das reservas provadas de petróleo, e a Oasis Petroleum, que “apagará” 33% dos seus stocks.

O reconhecimento destas baixas contabilísticas está para breve, já que nos próximos meses as empresas começarão a reportar as suas contas anuais. Mas a Chesapeake, por exemplo, referia no seu relatório e contas do terceiro trimestre que as descobertas adicionais e a expansão da empresa irão compensar parte destes ajustes.

Os poços que apenas existem “no papel” estão particularmente vulneráveis a uma revisão. Com efeito, devido à norma introduzida pela SEC em 2009, as empresas têm nos seus balanços muito mais reservas não exploradas do que outrora, explica a Bloomberg.

As reservas de petróleo e gás por explorar mais do que triplicaram, para 6,1 mil milhões de barris, desde 2008 – o último ano antes de a norma entrar em vigor, segundo os dados compilados pela Bloomberg. Os poços por explorar representam 45% das reservas provadas (contra 30% em 2008).

As amortizações contabilísticas poderão, deste modo, ser substanciais. As 61 empresas que integram o índice da Bloomberg dos produtores e prospectores independentes dos EUA anunciaram imparidades de 143,8 mil milhões de dólares no último ano. (Jornal de Negocios)

por Carla Pedro

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »