Ler Agora:
Familiares reagem à prisão domiciliária dos activistas
Artigo completo 3 minutos de leitura

Familiares reagem à prisão domiciliária dos activistas

Três dias após o início da prisão domiciliária dos 15 activistas acusados dos crimes de rebelião e actos preparatórios de golpe de Estado, um grupo de dois a oito polícias fazem a segurança das suas residências que, desde a passada sexta-feira, têm recebido amigos e familiares dos detidos.

Nito Alves e Albano Bingo Bingo estão na casa do primeiro e têm quatro polícias à porta, o que tem provocado reacções de Bingo Bingo, por ter sido uma decisão contra a vontade dele.

Ao que a VOA apurou, a polícia não permitiu que Bingo Bingo ficasse na casa dele por motivos de segurança, uma vez que está localizada entre vários becos na zona da Estalagem.

O pai do Nito Alves, Fernando Baptista, disse que a prisão domiciliária não foi a mais adequada, defendendo a de Termo de Identidade e Residência.

“Eu gostaria que as autoridades tomassem outra medida e que de 15 em 15 dias eles se apresentassem”, disse.

A VOA esteve também na do Zango 4, onde está o preso Sedrick de Carvalho.

À porta estão quatro polícias e um reeducador, e, segundo Sedrick de Carvalho, de sexta-feira a domingo, passaram pela sua residência mais de 16 polícias.

Sedrick disse ainda que “a decisão é razoável porque há uma diferença entre estar em casa com a família e estar na cadeia”. disse.

Os visitantes de Carvalho, têm de apresentar o Bilhete de Identidade e entregar todo objecto que possa gravar ou fazer fotos, como o telefone celular.

Osvado Caholo, o único militar do grupo, tem sete polícias à porta e os visitantes devem apresentar o Bilhete de Identidade e o número de telefone.

A esposa de Domingos da Cruz, a quem é fácil visitar, reagiu à medida que diz ser gratificante pelos gastos que faziam.

“A regra é igualzinha, conforme estivesse na cadeia, a diferença é que compro a comida para casa e não para a cadeia, o que era muito custoso”, considerou.

De recordar que em carta aberta à sociedade, os activistas apelaram à cultura do perdão, depois de terem tido conhecimento de manifestações de ódio e vingança contra Vladimiro Piedade.

Piedade é, segundo a carta assinada por 10 dos 15 réus, um dos elementos que se infiltraram no grupo que se reunia com alguma frequência para estudar técnicas de activismo.

O jovem que se terá inflitrado no grupo, é também, segundo os últimos desenvolvimentos do caso, o autor do vídeo apresentado como prova em tribunal, que coloca Luaty Beirão e Domingos da Cruz como autores de uma alegada tentativa de golpe de Estado. (VOA)

por Coque Mukuta

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »