António Ole: Espírito Caluanda

António Ole, pintor e realizador angolano. (Foto: Paulino Damião)
António Ole, pintor e realizador angolano.
(Foto: Paulino Damião)

Abriu a 12 de Novembro no CAMÕES/CENTRO CULTURAL PORTUGUÊS uma exposição de Pintura, Fotografia e Instalação do consagrado Mestre ANTÓNIO OLE. Paralelamente à exposição, o Camões/Centro Cultural Português apresenta, nos um Ciclo de Cinema dedicado ao Artista, durante o qual serão exibidos dois Documentários realizados por ANTÓNIO OLE e um Documentário sobre a sua vida e obra, realizado por Rui Simões.

Neste seu mais recente trabalho, ANTÓNIO OLE apresenta 22 obras de pintura, fotografia e instalação, na sua maioria inéditas, entre as quais se destacam dois trípticos de fotografia e caixas de luz, que evocam o “ESPÍRITO CALUANDA”. Com o “ESPÍRITO CALUANDA”, Artista retoma um tema recorrente no seu percurso.

As impressões artísticas de António Ole. (Foto: Paulino Damião)
As impressões artísticas de António Ole.
(Foto: Paulino Damião)

Citando Filipe Correia de Sá, “já em 2004 ANTÓNIO OLE dá a indicação de que Luanda tem algo que o intriga, lhe estende uma rede em que se quer enredar, não fosse ele luandense por nascimento (…). Em 2009, com a exposição “Na Pele da Cidade”, volta de novo o espírito de Luanda a dominar a criatividade do OLE (…). Sente-se aqui uma caminhada, não em círculos, mas em formas, determinadas pelas pistas que o artista vai encontrando pelo caminho e através das quais ele estabelece um diálogo com o meio que o rodeia e cumpre um programa social de que não abdica, até porque o ESPÍRITO DE CALUANDA, sem bem o entendo, a isso obriga: cidadania, responsabilidade cívica.

Ainda recentemente, quando se preparava para levar a sua arte à Bienal de Veneza 2015 (como Artista e como Curador da representação de Angola), ANTÓNIO OLE voltou a inspirar-se na cidade para fazer uma peça para a qual utilizou baldes, desses que as quitandeiras usam nos seus afazeres, de várias cores, encarnados, azuis, verdes, amarelos.

(Foto: Paulino Damião)
(Foto: Paulino Damião)

Terminada a instalação OLE colocou-a na parte fronteira do estúdio, que tem uma parede de vidro. A umas senhoras que passavam não passou despercebida a exposição, atraídas pela cor e sem dúvida pela cuidada forma em que se expunham e foram ter com o ANTÓNIO OLE a quem perguntaram: Estão a vender bacias? AQUI NESTA CENA, EM QUE A ARTE DÁ ENCONTRO COM O REAL QUE A INSPIRA, QUEM VALEU E QUEM FALOU FOI MESMO O ESPÍRITO CALUANDA. O OLE PROVA: ELE EXISTE!” VIDA E OBRA.

Nascido em Luanda em 1951, António Ole é um dos artistas angolanos actuais de renome. Depois do seu primeiro aparecimento fora de Angola, no Museu de Arte Afro-Americana, em Los Angeles, 1984, os seus trabalhos nunca mais deixaram de circular pelo mercado internacional de arte. Conhecido também como fotógrafo e realizador de cinema, Olé criou uma obra ímpar no contexto da recente história cultural de Angola, sendo os seus trabalhos mostrados em várias partes do mundo nos mais diversos festivais e bienais de arte.

Entre muitas outras intervenções, participou três vezes na Bienal de Havana (1986, 1988 e 1997), duas vezes na Bienal de Joanesburgo (1995 3 1997). Em 1992, foi um dos artistas angolanos que estiveram presentes no Pavilhão Africano na Exposição Internacional de Sevilha e no ano de 2013 algumas das suas séries de fotos foram incluídas na exposição “Structure of Survival”, no Festival de Veneza. (cultura.ao)

 

 

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »