Alemanha encontra mais marcas com emissões poluentes acima do permitido

(Negocios)
(Negocios)

O regulador alemão, o KBA, analisou 50 modelos de 23 marcas depois do escândalo VW ter rebentado. Agora, vai iniciar conversações com as marcas que não cumpriram os limites legais.

A Alemanha encontrou emissões de óxido de azoto acima do permitido em testes que realizou a vários carros a gasóleo. O regulador alemão, o KBA, está agora em negociações com vários fabricantes, depois de ter analisado cerca de 50 modelos de 23 marcas.

“Com base nos dados brutos, comprovou-se até agora, em parte, altos níveis de NOx [óxido de azoto] em diferentes condições de condução e de ambiente”, informou a KBA em comunicado, sem especificar marcas e modelos em causa.

Segundo a agência Bloomberg, o teste integra marcas do grupo Volkswagen como Porsche ou Audi. Mas vai além disso: BMW, Mercedes ou Opel também integram a lista de marcas testadas em solo germânico.

A análise surge depois do escândalo de manipulação de emissões assumido pelo grupo Volkswagen em Setembro. O mesmo afecta os níveis de emissões de óxido de azoto em 11 milhões de carros a gasóleo em todo o mundo.

Na última semana, a Volkswagen reconheceu que o problema era ainda maior: há mais 800 mil carros afectados, só que desta vez as emissões adulteradas são de dióxido de carbono. E há mesmo 98 mil carros a gasolina no lote.

A autoridade alemã, com competências a nível europeu, quer agora assegurar que as emissões poluentes nos motores Diesel, tanto de marcas do país como estrangeiras, não foram manipulados.

Já esta quarta-feira, 11 de Novembro, o responsável pela área de vendas da marca Volkswagen, Jürgen Stackmann, assegurou que a empresa prestará todos os esclarecimentos sobre o maior escândalo dos seus 78 anos de história. Mas Stackmann pediu tempo para que as conclusões da investigação interna possam ser apuradas.

No mesmo dia, chega a notícia que mais de 1.500 proprietários da Volkswagen e Audi na Coreia do Sul apresentaram uma queixa colectiva contra a fabricante alemã para exigir o reembolso do valor pago pelos carros. O número de queixosos deverá subir nos próximos dias, perspectivam os advogados que acompanham o caso.

No início da semana, a Volkswagen começou a oferecer aos clientes americanos vales de compensação no valor de mil dólares (930 euros). A medida tem só efeito naquele país, pelo que foi possível apurar até ao momento.

Apesar da necessidade de aumentar os cortes de custos no grupo automóvel, tendo em conta a nova vaga do caso, a Volkswagen contratou um especialista em tecnologia automóvel da Apple.

Johann Jungwirth, de 42 anos, esteve ligado ao projecto de um carro com condução autónoma na tecnológica de Tim Cook. Segundo o The New York Times, é um sinal de que a Volkswagen vai continuar a investir em tecnologia de ponta apesar do fardo financeiro criado por este escândalo. O foco nos veículos eléctricos já foi admitido pelo grupo automóvel como uma das prioridades desta sua nova fase. (jornaldenegocios.pt)

por Wilson Ledo

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »