Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Portugal: Programa do XXI Governo com acordos à esquerda

(Euronews)
(Euronews)

O XXI Governo português apresentou ao parlamento, na passada sexta-feira (27) o seu programa de governo para os próximos 4 anos. Marcado pelo desejo de romper com o ciclo de austeridade da última legistlatura da coligação formada por liberais-conservadores do PPD/PSD e democratas cristãos do CDS-PP entre 2011 2015, inclui uma série de medidas previamente pactadas com as forças de esquerda na câmara parlamentar, com o objetivo de mudar o rumo das políticas económicas do anterior governo.

O programa foi apresentado ao parlamento depois de uma curta reunião do Conselho de Ministros na sexta-feira, que terá durado apenas duas horas e meia, segundo a agência LUSA.

O novo governo promete cumprir com as metas do défice imposto por Bruxelas. Estabelece como meta para 2016 um défice de 2,8% e, para 2019, um défice de 1,5%, uma perspetiva otimista quando comparada com as previsões da União Europeia (2%) para daqui a 4 anos. Outro ponto importante é a dívida pública. O objetivo de Costa é que, em 2019, esta chegue apenas aos 112% do PIB, contra os 129,4% registados pelo Banco de Portugal em 2013.
Um programa pactado à esquerda

O Governo socialista deseja relançar a economia portuguesa através de medidas que incidam sobre o aumento do rendimento das famílias. Para o efeito, deverão ser colocadas em prática medidas que, segundo o novo Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares Pedro Nuno Santos, “visam pôr o país no rumo do crescimento.” Entre essas medidas, destacam-se as seguintes:

– A extinção progessiva da sobretaxa do IRS entre 2016 e 2017

– O fim dos cortes salariais

– Reposição gradual e integral dos salários da função pública durante 2016

– O descongelamento da progressão nas carreiras públicas, em 2018

– Redução progressiva e temporária da carga tributária sobre os trabalhadores com rendimentos inferiores a 600 euros

– Aumento progressivo do salário mínimo nacional (atualmente 487 euros, o mais baixo da Europa Ocidental) para 600 euros até 2019

O programa, que poderá ler na íntegra aqui, será debatido a meio da próxima semana na Assembleia da República, depois da Conferência COP21 sobre alterações climáticas, a ter lugar em Paris, onde estará presente António Costa. Conta ainda com algumas medidas tidas em contas depois de encontros com o PAN, relacionadas com a proteção dos animais – fala-se em medidas do bem-estar animal – e do meio ambiente. Prevê-se, por um lado, a revisão do regime de abate de animais em canis e gatis, no sentido de uma gradual erradicação e, por outro, a aplicação de um plano de promoção do uso da bicicleta como meio de transporte habitual.
Um governo sem apoio à direita

Forças como o Partido Comunista ou o Bloco de Esquerda que, juntando-se aos socialistas, votaram contra o programa de governo minoritário do então primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, dando passo à possibilidade de formação de governo por parte da segunda força parlamentar mais votada e principal grupo da oposição, o Partido Socialista (PS), através do seu apoio. Tal foi possível porque o número de deputados eleitos por PS, PCP, PS, PEV e PAN foi superior ao número eleito por PPD/PSD e CDS-PP, ainda que as forças da direita tivessem concorrido na coligação Portugal à Frente ou PàF.

Tanto PCP como BE nunca fizeram parte de um Executivo em Portugal e não tinham estabelecido uma coligação com o PS para concorrer às eleições legislativas de outubro, pelo que a formação de um governo PS com o apoio destes partidos e do PAN (Pessoas, Animais e Natureza) recebeu fortes críticas por parte da oposição, que chegou mesmo a falar num “golpe de Estado da esquerda”.

António Costa, líder do PS e agora primeiro-ministro, ouviu também serveras críticas por parte do Presidente da República, Anibal Cavaco Silva (PPD/PSD), para quem o veto ao governo formado pela principal força parlamentar não passava de “um acordo inconsistente” entre as forças de esquerda, acabando, posteriormente, por indigitar António Costa na terça-feira (24).

A tomada de posse do governo de Costa na quinta-feira (26) ficou marcada pelas divergências entre o novo primeiro-ministro e o atual Presidente, que não duvidou em dizer que iria ficar “muito atento” às políticas do Executivo socialista e que não duvidaria em utilizar os poderes previstos na Constituição para controlar o governo.

Desta forma, e para prevenir futuros conflitos entre Governo e Presidente, Costa poderia enviar o Orçamento de 2016 ao novo Presidente da República (as eleições estão marcadas para janeiro do próximo ano e Cavaco Silva não se apresenta), que, por outro lado, deverá tomar posse em março.

O XXI Governo Constitucional do primeiro-ministro António Costa foi empossado quinta-feira (26) pelo Presidente da República, Anibal Cavaco Silva, no Palácio da Ajuda, em Lisboa. Conta com o apoio das forças de esquerda na Assembleia da República, como o Partido Socialista, Partido Comunista Português, o Bloco de Esquerda e o Partido Ecologista – Os Verdes, assim como do partido Pessoas Animais e Natureza. (euronews.com)

por António Oliveira e Silva | com LUSA

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »