Marinho Pinto já pediu dinheiro a vários bancos mas nenhum lho dá

(D.R)
(D.R)

Como se financiam os pequenos partidos para a campanha? Donativos e empréstimos pessoais – porque na banca comercial parece impossível (e Marinho Pinto que o diga).

A vida está difícil para o Partido Democrático Republicano (PDR), que Marinho Pinto fundou depois de ter sido eleito eurodeputado pelo MPT. Problema: dinheiro.

O PDR apresentou na Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) um orçamento para a campanha eleitoral que aponta para despesas totais na ordem dos 207 mil euros. De entre as candidaturas de partidos sem assento no Parlamento, é o terceiro maior orçamento, depois do do Juntos Pelo Povo (355 mil euros) e do Livre/Tempo de Avançar (215,1 mil euros).

No PDR o dinheiro que têm parece não chegar para as necessidades. Marinho Pinto, cabeça de lista em Coimbra, contou ao DN que o partido já pediu empréstimos bancários a seis instituições – cujos montantes não quantifica. Ora acontece que “os bancos não estão a dar, é a crise”. Quatro já disseram que não e agora o conhecido advogado ex-bastonário da Ordem aguarda a resposta dos dois últimos a quem se dirigiu (não diz quais). “Os processos estão entregues, a papelada está assinada. Aguardamos. Se também disserem que não, vamos ver.”

O orçamento global de campanha dos partidos sem assento parlamentar – 1,355 milhões de euros – é mais de cinco vezes inferior ao orçamento somado das quatro candidaturas com assento parlamentar (quase 7,5 milhões de euros). (dn.pt)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »