Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Guiné-Bissau: Zamora Induta em prisão preventiva

0
Zamora Induta (esq) e António Indjai, ambos ex Chefes de Estado Maior General das Forças Armadas guineenses (AFP)
Zamora Induta (esq) e António Indjai, ambos ex Chefes de Estado Maior General das Forças Armadas guineenses
(AFP)

O contra-almirante Zamora Induta está desde esta terça-feira (22/09) em prisão preventiva no Quartel de Mansoa, no norte da Guiné-Bissau, por ordem da Promotoria da Justiça Militar, a sua defesa não foi ainda notificada.

Zamora Induta, antigo Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, regressou a Bissau a 21 de Julho, após quatro anos passados em Portugal, na sequência do golpe militar de Abril 2012.

Ele foi acusado de ter sido o instigador da alegada tentativa de golpe de Estado em 21 de Outubro de 2012, com o ataque ao quartel dos “bóinas vermelhas” em Bissau, que causou seis mortos.

O capitão Pansau N’Tchama, líder do grupo que disparou contra a unidade de élite militar, foi capturado a 27 de Outubro no arquipélago de Bijagós e durante o julgamento apontou Zamora Induta como sendo um dos cabecilhas do golpe, cujo objectivo seria derrubar o regime saído do golpe militar de Abril 2012, liderado pelo general antónio Indjai – CEMGFA – que depôs o governo de Carlos Gomes Júnior, antes da segunda volta das eleições presidenciais, em que era dado como favorito.

Pansau N’Tchama (ex guarda-costas de Zamora Induta) foi na altura condenado tal como 16 outras pessoas, mas indultado por decreto do Presidente José Mário Vaz, a 30 de Setembro de 2014, com outros quatro militares e um civil implicados neste mesmo caso.

José Paulo Semedo, advogado de defesa de Zamora Induta afirma “até agora a defesa não foi notificada do despacho que decretou a prisão preventiva, o despacho foi requerido há quinze dias atrás, praticamente, a defesa contrariou a pretensão da Promotoria Militar…não compreendemos o que é que mudou, depois do despacho que manda retirar o passaporte (18 de Agosto) a Promotoria Militar não conseguiu provar que houve alteração dos factos… nós pensamos que as circunstâncias não se alteraram, entretanto avançaram com uma nova medida”. (RFI)

Deixe uma comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »