Ana Gomes pede explicações sobre procedimentos irregulares da justiça angolana

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

A eurodeputada Ana Gomes pediu esclarecimentos sobre o interrogatório feito em Portugal pela Procuradoria-Geral angolana a Adalberto Neto, proprietário da casa onde foram detidos os jovens acusados de golpe de Estado.

De acordo com o ativista angolano Rafael Marques, o vice-procurador-geral da República de Angola, Luciano Chackra, e “o indivíduo responsável pela detenção dos 15 jovens” acusados de tentativa de golpe de Estado vieram a Portugal interrogar o advogado Adalberto Neto, proprietário da casa onde foram efetuadas as detenções no mês de junho.

“Vieram interrogar porque foi em casa do Adalberto Neto que se realizaram esses encontros e no fim dos dois interrogatórios, na Culturgest, (Lisboa) pediram a Adalberto Neto para assinar o auto de interrogatório mas explicando-lhe que não lhe podiam dar uma cópia porque era ilegal a justiça angolana fazer interrogatórios a um cidadão nacional em território português”, disse hoje Rafael Marques durante um colóquio sobre direitos humanos em Angola organizado pela Amnistia Internacional, em Lisboa. (cmjornal.xl.pt)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »