- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Cultura Artes "UOLSTRITE" não cuia

“UOLSTRITE” não cuia

JOSÉ LUÍS MENDONÇA Director do jornal Cultura (Foto: D.R.)
JOSÉ LUÍS MENDONÇA
Director do jornal Cultura
(Foto: D.R.)

1 Mesmo que Angola tenha pretensões, ao mais alto nível político administrativo, de seguir a viragem protagonizada pelo Rwanda, ao instaurar o inglês como língua oficial, mesmo admitindo essa hipótese da governação angolana, atribuir o nome de “Uol Strite” (Wal Street) ao primeiro centro financeiro da cidade de Luanda assemelha-se a uma submissão cultural de Angola à globalização neo-liberal (anglosaxónica) estadunidense.

A notícia avançada pelo Jornal de Angola, na edição de 10 de Setembro, pela voz do presidente do conselho executivo da Sociedade Baía de Luanda, Miguel Carneiro, deixa-nos (est)eticamente arrepiados.

2 Em primeiro lugar, por razões históricas. Se a intenção é glorificar um símbolo da história dos EUA, com a atribuição do nome de “Uol Strite” a um empreendimento em Luanda, apenas estaremos a honrar os que trucidaram os peles-vermelhas (índios) e lhes roubaram as terras para fazer a megalómana nação que é hoje os EUA.

A prestar homenagem à história e à sociedade norte-americana e aos seus valores, seria mais honroso dar o nome desse empreendimento àquele chefe índio, Touro Sentado, que derrotou o general Custer e os soldados facas longas na batalha de Little Big Horn (Pequeno Grande Chifre), em 1876, na região onde hoje fica o estado de Montana. Pelo menos, estaríamos a ser solidários com os autóctones norte-americanos, cuja história de ocupação e de luta se assemelha à nossa.

Em segundo lugar, por razões culturais (linguísticas). Nós, angolanos, herdamos dois patrimónios incontornáveis do Encontro de Civilizações iniciado neste território no século XV. O primeiro é a língua portuguesa. O segundo é o mapa em forma de quadrilátero de um país onde cabem povos de diferentes palavras bantu. A língua portuguesa detém um papel central na comunicação, por isso foi considerada desde a independência nacional, como a língua oficial.

Dar nomes às coisas da nossa terra na língua que fala a Rainha de Inglaterra não será uma espécie de alienação cultural? O Colóquio sobre a Cultura Nacional, que decorreu em Luanda, em Setembro de 2014, realçou “a questão da construção de uma Nação próspera baseada na identidade sociocultural do homem angolano”, e propôs “o uso e a utilização de motivos culturais nacionais em indústrias, instituições e serviços, bem como em todas as áreas da vida e da actividade dos cidadãos (…)”.

3 Nós não somos ingleses. Tão pouco norte-americanos. Temos uma língua oficial, o português, e temos seis grandes línguas africanas capazes de nomear seja que empreendimento for que se erga em Angola. Além disso, temos figuras sociais e históricas que podem conferir, melhor que “Uol Strite”, um nome honroso ao primeiro centro financeiro da cidade de Luanda.

Veio-me, de repente, à memória, Carlos Rocha Dilolwa, guerrilheiro, economista e ministro do Planeamento e Coordenação Económica do 1º Governo de Angola. E ele há outras fontes culturais nacionais ou mesmo da África que serviriam melhor que “Uol Strite” essa intenção toponímica. Sejamos orgulhosamente angolanos. “Uol Strite” não cuia. (jornalcultura.ao)

- Publicidade -
- Publicidade -

Cantora Maria Lisboa assaltada: “Roubaram-me tudo. Fiquei sem nada”

A cantora Maria Lisboa começou a manhã de sexta-feira deparando-se com uma notícia que a deixou devastada. A loja de roupa que montou e...
- Publicidade -

UNITA pede inquérito parlamentar ao BPC

O grupo parlamentar da UNITA propôs, ao Parlamento, a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à gestão do Banco de Poupança e...

Terminal petrolífero da Barra do Dande retomado por 700 milhões USD e por ajuste directo

As obras de conclusão do Terminal Oceânico da Barra do Dande vão finalmente prosseguir, por cerca de metade do valor previsto no contrato adjudicado...

Angola na assembleia do Fórum Parlamentar

Uma delegação angolana, chefiada pelo presidente do Parlamento, Fernando da Piedade Dias dos Santos, participa, sexta-feira e sábado, por videoconferência, a partir de Kinshasa,...

Notícias relacionadas

Cantora Maria Lisboa assaltada: “Roubaram-me tudo. Fiquei sem nada”

A cantora Maria Lisboa começou a manhã de sexta-feira deparando-se com uma notícia que a deixou devastada. A loja de roupa que montou e...

UNITA pede inquérito parlamentar ao BPC

O grupo parlamentar da UNITA propôs, ao Parlamento, a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à gestão do Banco de Poupança e...

Terminal petrolífero da Barra do Dande retomado por 700 milhões USD e por ajuste directo

As obras de conclusão do Terminal Oceânico da Barra do Dande vão finalmente prosseguir, por cerca de metade do valor previsto no contrato adjudicado...

Angola na assembleia do Fórum Parlamentar

Uma delegação angolana, chefiada pelo presidente do Parlamento, Fernando da Piedade Dias dos Santos, participa, sexta-feira e sábado, por videoconferência, a partir de Kinshasa,...

Juristas alertam que imunidades podem esconder criminosos

Debate sobre as imunidades do ex-Presidente José Eduardo dos Santos e do ex-vice-presidente Manuel Vicente sobe de tom. Em determinados círculos políticos, jurídicos e da...
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. Com este artigo, o autor representa-me inteiramente, ou seja, revejo-me em absoluto no seu argumento. O capitalismo tem sido uma experiência sócioeconómica muito difícil no nosso País e os Estados Unidos ainda não deram provas em como respeitam e respeitarão a soberania de Angola. Estas são razões bastantes para não nos precipitarmos com elogios ou homenagens à instituições de carácter essencialmente mercantil e que combinam a democracia com o belicismo anacrónico para imporem a sua vontade a outros povos.

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.