- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Constitucionalistas: Partido que elege mais deputados deve formar Governo

Constitucionalistas: Partido que elege mais deputados deve formar Governo

(Negócios)
(Negócios)

O partido mais votado nas eleições de 4 de Outubro pode não ficar com o maior número de deputados, mas constitucionalistas contactados pela Lusa defendem que quem tiver mais parlamentares é que deve formar Governo.

“O que interessa é o número de mandatos”, disse à Agência Lusa o constitucionalista Jorge Miranda, defendendo que se o partido que eleger mais deputados não for o mais votado, o que deve ser valorizado é o número de parlamentares.

Em Portugal o método matemático utilizado para converter votos em mandatos é o método de Hondt. Contudo, como se segue o sistema de representação proporcional, existem sempre votos nos círculos eleitorais que não chegam para eleger deputados. Desta forma, quanto mais votos sobrarem, maior é a possibilidade de um partido ter mais votos, mas menos deputados.

A Constituição da República não fala nem em número de votos, nem em número de mandatos, estabelecendo apenas no artigo 187.º que “o primeiro-ministro é nomeado pelo Presidente da República, ouvidos os partidos representados na Assembleia da República e tendo em conta os resultados eleitorais”.

Apesar de em Portugal não se ter colocado o problema do partido mais votado não ser o que tem mais deputados, teoricamente tal é possível, tendo ainda hoje sido divulgada uma sondagem que aponta para esse cenário.

“Seria pouco aceitável que o partido que tivesse mais deputados – ainda que sem maioria absoluta – não fosse Governo”, disse à Lusa o constitucionalista Tiago Duarte.

Ressalvando que quem tem de fazer a interpretação dos resultados eleitorais é o Presidente da República, Tiago Duarte defendeu que do seu ponto de vista o critério que deve ‘guiar’ o chefe de Estado é “o da governabilidade e estabilidade do governo perante o parlamento”, ou seja, deve nomear o primeiro-ministro que apresente “uma solução governativa que tenha mais hipóteses de durar e cumprir a legislatura”.

“Em caso de soluções igualmente instáveis – Governo minoritário da coligação ou do PS, por exemplo – deve privilegiar o partido ou coligação que tenha eleito mais deputados, mesmo se não teve mais votos”, referiu, sustentando que nas votações parlamentares, como a aprovação de orçamentos ou moções de censura, “o que conta são os deputados eleitos e não os votos”.

Tiago Duarte vai mais longe na análise, argumentando que, em seu entender, o Presidente da República apenas não deve nomear primeiro-ministro o líder do partido ou coligação que tenha eleito mais deputados no caso de o líder do partido que não ganhou as eleições assegurar “em coligação pós eleitoral uma solução governativa de maioria absoluta e que seja credível, no sentido de sustentada num efectivo Governo de coligação”.

“Seria pouco aceitável que o partido que tivesse mais deputados, ainda que sem maioria absoluta, não fosse governo e que fosse governo o partido que não ganhou as eleições com a promessa vaga de outros partidos de que apoiariam o governo nas questões essenciais, por exemplo”, sublinhou, considerando que os chamados acordos de incidência parlamentar apenas devem ser aceites pelo chefe de Estado se o governo for do partido que ganhou as eleições, ou seja, que elegeu mais deputados.

O constitucionalista Paulo Otero defende igualmente que o que deve ser tido em conta é o número de deputados eleitos, pois é o número de parlamentares na Assembleia da República que “determinam a viabilidade ou a inviabilidade de um Governo”, em momentos determinantes como a aprovação do Orçamento do Estado.

“No momento da verdade o número de deputados é fundamental para aferir da viabilidade de um executivo”, disse. Por isso, acrescentou, os partidos têm vantagem em ir coligados.

Num estudo da Eurosondagem feito para o Expresso e para a SIC, hoje divulgado, o PS consegue 35,5% das intenções de voto, elegendo entre 95 a 101 deputados. Já a coligação arrecada 34%, conseguindo 99 a 102 lugares no parlamento.

Esta sondagem foi realizada entre 11 e 16 de Setembro, num universo da população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por regiões, num total de 1510 entrevistas validadas. O erro máximo da amostra é de 2,52%, para um grau de probabilidade de 95%. (Jornal de Negócios)

por Lusa

- Publicidade -
- Publicidade -

Mexidas: Nuno Carnaval rende Ana Paula Neto no cargo de titular da Juventude e Desportos

Nuno (dos Anjos Caldas Albino) Carnaval, actual secretario de Estado da Comunicação Social, poderá render, nos próximos dias, Ana Paula da Silva do Sacramento...
- Publicidade -

Rafael Savimbi aconselha PR João Lourenço, a organizar eleições autárquicas em 2021 e a promover a descentralização no país

Numa intervenção no Forum Angola, organizado pelo Instituto Real de Relações Internacionais Chatham House, o dirigente da União Nacional para a Independência Total de...

Odebrecht instala mecanismos anti-corrupção e deixa de estar sob monitorização externa

A Odebrecht anunciou que está concluída a monitorização externa independente à empresa de engenharia e construção, que decorria há quase 4 anos, pelo Departamento...

Governo vai financiar estágios profissionais para jovens

O Presidente da República, João Lourenço, aprovou um programa de estágios profissionais para jovens que tenham um curso técnico-profissional, um curso de formação profissional,...

Notícias relacionadas

Mexidas: Nuno Carnaval rende Ana Paula Neto no cargo de titular da Juventude e Desportos

Nuno (dos Anjos Caldas Albino) Carnaval, actual secretario de Estado da Comunicação Social, poderá render, nos próximos dias, Ana Paula da Silva do Sacramento...

Rafael Savimbi aconselha PR João Lourenço, a organizar eleições autárquicas em 2021 e a promover a descentralização no país

Numa intervenção no Forum Angola, organizado pelo Instituto Real de Relações Internacionais Chatham House, o dirigente da União Nacional para a Independência Total de...

Odebrecht instala mecanismos anti-corrupção e deixa de estar sob monitorização externa

A Odebrecht anunciou que está concluída a monitorização externa independente à empresa de engenharia e construção, que decorria há quase 4 anos, pelo Departamento...

Governo vai financiar estágios profissionais para jovens

O Presidente da República, João Lourenço, aprovou um programa de estágios profissionais para jovens que tenham um curso técnico-profissional, um curso de formação profissional,...

Potencial petrolífero é de 40 mil milhões de dólares

As empresas angolanas do sector petrolífero apenas aproveitam cerca de 10 por cento do potencial estimado em 40 mil milhões de dólares que a...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.