- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Analistas pedem medidas firmes para pôr fim à tensão em Moçambique

Analistas pedem medidas firmes para pôr fim à tensão em Moçambique

(AFP)
(AFP)

É preciso obrigar o Governo e a RENAMO a encontrar “caminhos acertados” para pôr termo à tensão política, defendem especialistas, depois dos vários apelos para uma investigação sobre o ataque à comitiva de Dhlakama.

Missões diplomáticas acreditadas em Moçambique apelaram à realização de uma “investigação célere” do ataque contra uma coluna em que seguia o líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Afonso Dhlakama. O episódio teve lugar no sábado (12.09) em Chibata, quando a comitiva regressava de um comício em Macossa e se encaminhava para Chimoio, capital de Manica.

A RENAMO atribuiu a emboscada a elementos da Unidade de Intervenção Rápida (UIR) das forças de defesa e segurança moçambicanas. A polícia negou o envolvimento no ataque. A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), partido no poder, classificou a emboscada como uma “simulação” do maior partido da oposição.

Os apelos das missões diplomáticas acreditadas em Moçambique são fundamentais para a solução rápida da tensão política que o país vive, defendem analistas, que, no entanto, divergem quanto aos resultados destas exigências.

Por um lado, receia-se que, devido à complexidade do problema e a escassez de fontes que permitam o apuramento da veracidade do ocorrido o assunto termine em meras trocas de acusações.

Apelos não chegam

As acções da comunidade internacional perante a tensão política que Moçambique vive são “demasiado suaves”, considera Domingos do Rosário, do Departamento de Ciências Políticas da Universidade Eduardo Mondlane. “Se a situação chegou onde está hoje, eles também são responsáveis. Porque tinham muitas formas de travar a maneira como este país foi governado durante muito tempo. Eles bateram palmas porque também beneficiavam desse clientelismo”, critica.

O académico defende que, mais do que simples apelos, a comunidade internacional deve encontrar caminhos para influenciar os actores políticos, com vista a ultrapassar o principal problema: a exclusão social e económica que ainda prevalece no país.

“Essa solução passa por a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e a RENAMO sentarem-se e falarem seriamente”, sugere. “Como disse o porta-voz da FRELIMO, como é que dentro da própria FRELIMO há dois movimentos contraditórios? Não há reconciliação nacional porque a reconciliação nacional não é um discurso, é uma prática”.

O analista Egídio Vaz acredita que o Governo, liderado pela FRELIMO, dará ouvidos à chamada de atenção dos diplomatas e de todas as vozes que se levantam contra a intolerância política e a guerra no país. “É um apelo directo ao Governo, mas também um apelo indirecto à RENAMO para que, dentro das suas possibilidades e a todo o custo, continue a preservar a paz e que cinjam o jogo democrático dentro do quadro legal”.

Encontro entre Nyusi e Dhlakama

Dércio Alfazema, do Instituto para a Promoção da Democracia, acredita também que o Governo irá ceder à pressão das missões diplomáticas acreditadas em Moçambique, mas sugere uma intervenção mais firme de toda a sociedade para pôr termo a esta instabilidade.

“Perante a situação que estamos a viver, não precisamos de culpados. Precisamos é de soluções, de encontrar saídas. E ninguém melhor do que os dois que estão directamente envolvidos nisso para trazer esta solução e buscar algum tipo de consenso”, sublinha o especialista.

O encontro entre o Presidente da República, Filipe Nyusi, e o líder da RENAMO, Afonso Dhlakama, continua a ser a porta para a solução desta instabilidade, sublinham os analistas.

O ex-chefe de Estado moçambicano Joaquim Chissano já se mostrou disponível para mediar um encontro entre os dirigentes políticos, a quem apela para que aprendam a gerir conflitos. Em 1992, em Roma, Chissano assinou com Dhlakama o Acordo Geral de Paz que pôs termo a 16 anos de guerra civil em Moçambique. (DW)

- Publicidade -
- Publicidade -

Exportações dão 11,14 mil milhões de dólares

As exportações somaram, nos sete primeiros meses deste ano, 11,14 mil milhões de dólares contra 20,68 mil milhões no mesmo período do ano anterior...
- Publicidade -

Inocêncio de Matos vai a enterrar sábado

O funeral de Inocêncio de Matos, o jovem manifestante morto no dia 11 de Novembro, em Luanda, vai ser finalmente realizado sábado, num dos...

“Beleza”, o angolano que mostra a arte da capoeira na África do Sul

Mário Lopes pratica a sua arte mesmo tempo de pandemia Na cidade sul-africana de Cape Town, Márcio Lopes, mais conhecido por Beleza, é um angolano...

Cabo Delgado: Surto de diarreia força milhares a abandonarem abrigo

Milhares de pessoas abandonaram os abrigos no campo de Nangua, após a eclosão de um surto de diarreia, que já fez cinco mortos, esta...

Notícias relacionadas

Exportações dão 11,14 mil milhões de dólares

As exportações somaram, nos sete primeiros meses deste ano, 11,14 mil milhões de dólares contra 20,68 mil milhões no mesmo período do ano anterior...

Inocêncio de Matos vai a enterrar sábado

O funeral de Inocêncio de Matos, o jovem manifestante morto no dia 11 de Novembro, em Luanda, vai ser finalmente realizado sábado, num dos...

“Beleza”, o angolano que mostra a arte da capoeira na África do Sul

Mário Lopes pratica a sua arte mesmo tempo de pandemia Na cidade sul-africana de Cape Town, Márcio Lopes, mais conhecido por Beleza, é um angolano...

Cabo Delgado: Surto de diarreia força milhares a abandonarem abrigo

Milhares de pessoas abandonaram os abrigos no campo de Nangua, após a eclosão de um surto de diarreia, que já fez cinco mortos, esta...

Cabo Verde é o lusófono “mais amigo” das raparigas e meninas em África

O relatório é do Fórum Africano de Políticas para Criança, liderado pela mocambicana Graca Machel Cabo Verde é um dos sete países...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.