- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Crónicas e Artigos Os ciclos do preço do petróleo em Angola desde 1987 (2.ª parte)

Os ciclos do preço do petróleo em Angola desde 1987 (2.ª parte)

ALVES DA ROCHA Economista e Docente universitário (Foto: D.R.)
ALVES DA ROCHA
Economista e Docente universitário
(Foto: D.R.)

Qual a verdadeira história do preço do petróleo e os factos a que está ligada? O gráfico seguinte mostra o seu comportamento numa perspectiva de longa duração (Maio de 1987 a Junho de 2015, 338 observações).

Até sensivelmente Janeiro de 2002, o preço médio mensal do barril de petróleo oscilou sempre na vizinhança de 20 USD. O grande boom no valor desta commodity energética situou-se entre a anterior data e Janeiro de 2008. Justamente este período foi o que registou as mais elevadas taxas de crescimento do PIB em Angola.

A queda brusca verificada durante 2008 e 2009 – que consequencializou uma drástica revisão do OGE – coincidiu com a crise financeira do subprime nos Estados Unidos da América e da queda do crescimento do PIB mundial e das principais economias desenvolvidas e emergentes. Sendo fácil entender que a ‘mini-idade’ de ouro do crescimento económico do País (2002/2008) apresenta uma forte correlação com o preço e as receitas do petróleo, já o mesmo não é identificável com o período entre Maio de 2011 e Junho de 2014.

Na verdade, a taxa média anual de crescimento do PIB foi de apenas de 3,4%, contra 11,1% no período dourado. Duas razões fundamentais podem ser aduzidas. Por um lado, a redução da produção petrolífera – devida a problemas diversos, uns de natureza técnica e outros de organização e investimento. A taxa média anual de variação foi de -2,2%, com parciais de -5% em 2009, -0,6% em 2010, -8,1% em 2011, 5,3% em 2012, -0,6% em 2013 e -3,5% em 2014.

Por outro, também a economia não petrolífera experimentou alguns obstáculos, tendo a sua taxa média anual baixado de 12,8% entre 2002 e 2009, para 7,7% entre 2010 e 2014. Um sinal claro de que novas fontes de crescimento teriam de ser encontradas, em especial através da diversificação das exportações. Em termos sintéticos, a economia angolana já foi afectada por duas vezes pela queda do preço do barril de petróleo, uma em 1998 e outra em 2008/2009. A presente crise é a terceira, depois da independência do País.

Durante a longa duração – 1987/2015 – o preço médio do barril de petróleo foi de 44,8 USD. Durante este extenso período, podem ser estabelecidos alguns subperíodos, de acordo com a sua relação a determinados acontecimentos nacionais e internacionais.

? Período Janeiro de 1990 a Dezembro de 1999 – O facto mais relevante foi o da transição para a economia de mercado, após a adesão de Angola ao FMI e Banco Mundial em 1984 e de ter sido aprovado o SEF (Programa de Saneamento Económico e Financeiro). Depois da assinatura dos Acordos de Bicesse e da Conferência Internacional de Doadores, em 1995, em Bruxelas, a guerra civil generalizou-se a todo o território nacional. A taxa média anual do PIB neste período foi negativa e estimada em -3%, com uma crise económica em 1993 e 1994, com o PIB a regredir 21% e 20%, respectivamente. Foi também a fase da hiperinflação em Angola, com registos de 1.837% em 1993, 971,9% em 1994 e 3784% em 1995. O preço médio mensal do barril de petróleo foi de 18,3 USD.

? Período Janeiro de 2001 a Dezembro de 2001 – Como ocorrências mais notáveis podem ser registadas o novo modelo de gestão macroeconómica (uma muito maior relação entre a política monetária e a política orçamental) e a mudança de toda a equipa económica de então. Do ponto de vista político, eram visualizáveis sinais de que o conflito armado estava próximo do seu fim, urgindo, por conseguinte, preparar a economia para a fase de reconstrução. De negativa, a taxa média anual de variação do PIB de negativa passou a positiva (3%). O processo de desinflação da economia foi posto em prática, favorecido pelo aumento das reservas em divisas e pela nova convergência entre as políticas macroeconómicas, do que resultaram taxas de inflação de 268% em 2000 e de 115% em 2001. O preço médio mensal do barril de petróleo foi de USD 26,5.

? Período Janeiro de 2002 a Dezembro de 2008 – Destaca-se a fantástica dinâmica de crescimento do PIB, ainda que de muito menor intensidade do que aquela que o Governo ia anunciando (foi possível corrigir em baixa estas taxas graças às Contas Nacionais). O País beneficiou de montantes significativos de receitas da exportação do petróleo e de receitas fiscais com a mesma origem (190 mil milhões USD para as primeiras e cerca de 107,3 mil milhões USD para as segundas) e os investimentos públicos em infra-estruturas ascenderam a 27,4 mil milhões USD. 2005 (15%) e 2007 (14%) foram os anos de maior crescimento do PIB, em 40 anos de independência política1. O processo de desinflação continuou firme, graças também à utilização da âncora cambial para controlar a dinâmica de subida dos preços permitida pelas fantásticas reservas em moeda externa. O preço médio mensal do petróleo foi de 54,4 USD.

? Período Janeiro de 2009 a Dezembro de 2010 – O acontecimento mais marcante foi a grande crise financeira e económica internacional que deixou em Angola rastos que ainda hoje influenciam o comportamento do PIB. É pouco credível que o País volte a ter registos de crescimento tão impressivos como os ocorridos durante a mini-idade de ouro. Ocorreram outros factos: diminuição das receitas do petróleo, quer as destinadas à economia, quer as de propriedade do Estado, decréscimo do investimento público em 7,5%, forte atenuação do crescimento económico (taxa média anual de 2,8%), subida da taxa de inflação e instalação de um clima de certo descrédito quanto às capacidades e dinâmicas de crescimento sustentável da economia. O preço médio mensal do barril do petróleo foi de 70,5 USD.

? Período Janeiro de 2011 a Dezembro de 2014 – Grande turbulência no mercado petrolífero internacional com uma queda do preço médio do barril, entre Junho e Dezembro de 2014, de 44,2%, implicando a obtenção de uma taxa média de variação do PIB de apenas 4,1%. Os Estados Unidos transformam-se no maior produtor mundial de petróleo, enquanto prosseguiu o braço de ferro com a OPEP e a Arábia Saudita quanto ao não ajustamento em baixa da produção da organização. Sinais de que a inflação em Angola volta aos níveis dos dois dígitos e apresentação do OGE 2015 elaborado em bases completamente irrealistas. O preço médio do petróleo neste período foi de 107,6 dólares por barril.

? Período Janeiro 2015 a Julho de 2015 – A grande questão é a de até onde poderá baixar o preço médio do barril de petróleo. Segundo diversas agências internacionais a economia mundial poderá, de novo, entrar num período de petróleo barato, o que favorecerá o seu crescimento. Em Angola, este período é marcado por sucessivas revisões em baixa dos principais agregados macroeconómicos, conforme já referido anteriormente. A inflação anual homóloga em Julho foi de 10,4% e a tendência é para que a taxa de inflação acumulada no final do ano se venha a situar em mais de 12,5%.

O preço médio do barril de petróleo neste período foi de 56,9 dólares. Podem ser elencadas algumas conclusões:

Uma conclusão geral decorrente da análise do comportamento de longo prazo do preço médio mensal do barril de petróleo é que foi inferior a 45 USD, estando, portanto, os valores mais recentes ainda dentro desta fasquia. Só que as necessidades de financiamento da economia e do Estado são hoje incomparavelmente maiores do que nos períodos em que o preço médio se situou na vizinhança de 30 USD o barril, sendo igualmente de muito maior expressão a corrupção e a necessidade de alimentar uma elite política e empresarial do MPLA com um poder financeiro absolutamente notável.

Durante quatro anos consecutivos, o País beneficiou de um preço médio mensal acima de 100 USD o barril, o que lhe permitiu acumular receitas fantásticas em divisas e impostos.

Depois de Dezembro de 2014, o preço médio do barril de petróleo tem decrescido sistematicamente. As incertezas e as dúvidas sobre como a economia nacional poderá evoluir no futuro mantêm-se e a confiança em que se possa sair da actual crise tem sido cada vez menor. (expansao.ao)

- Publicidade -
- Publicidade -

Nova onda de raptos inquieta empresários moçambicanos

Uma nova onda de raptos está a inquietar empresários nas principais cidades moçambicanas e há receios de impacto negativo nos investimentos. Os últimos casos incluem...
- Publicidade -

Plano Estratégico da CEEAC analisado pelos ministros

Reunião prepara 18ª Sessão Ordinária da Conferência de Chefes de Estado e de Governo, agendada para sexta-feira Os ministros das Relações Exteriores e dos Negócios...

Bandeiras da UNITA voltam a ser destruídas no Kwanza Norte

O partido UNITA em Ndalatando, província angolana do Kwanza Norte, foi alvo de ataques na madrugada deste domingo (22.11), depois que as suas bandeiras...

Nova Iorque: Corpos ficam em caminhões por famílias não terem dinheiro de enterros

Das centenas de corpos que estão armazenados em caminhões frigoríficos em Nova York, muitos são de pessoas cujos familiares não têm dinheiro para as...

Notícias relacionadas

Nova onda de raptos inquieta empresários moçambicanos

Uma nova onda de raptos está a inquietar empresários nas principais cidades moçambicanas e há receios de impacto negativo nos investimentos. Os últimos casos incluem...

Plano Estratégico da CEEAC analisado pelos ministros

Reunião prepara 18ª Sessão Ordinária da Conferência de Chefes de Estado e de Governo, agendada para sexta-feira Os ministros das Relações Exteriores e dos Negócios...

Bandeiras da UNITA voltam a ser destruídas no Kwanza Norte

O partido UNITA em Ndalatando, província angolana do Kwanza Norte, foi alvo de ataques na madrugada deste domingo (22.11), depois que as suas bandeiras...

Nova Iorque: Corpos ficam em caminhões por famílias não terem dinheiro de enterros

Das centenas de corpos que estão armazenados em caminhões frigoríficos em Nova York, muitos são de pessoas cujos familiares não têm dinheiro para as...

Pai de Inocêncio de Matos suspende vigília defronte à PGR após promessa de nova autópsia

Alfredo de Matos, pai do jovem Inocêncio, de 23 anos de idade, morto na Manifestação a 11 de Novembro, suspendeu às 00h a vigília...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.