- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Cultura Show Kalunga II prova irmandade entre Angola e Brasil em noite interactiva

Show Kalunga II prova irmandade entre Angola e Brasil em noite interactiva

Martinho da Vila, com Paulinho da Viola, no lançamento da sua discobiografia, em 2013. (Foto: D.R.)
Martinho da Vila, com Paulinho da Viola, no lançamento da sua discobiografia, em 2013.
(Foto: D.R.)

Numa noite prestigiada por diversas individualidades nacionais e estrangeiras, com realce para a ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva, o show “Kalunga II” confirmou esta quarta-feira a “pureza” da irmandade entre Angola e Brasil, num evento em que a voz dos espectadores sobrepôs-se a dos protagonistas.

Apesar de começar com duas horas de atraso (inicialmente marcado para às 19h00), o público manteve-se paciente e motivado para ver a todo custo as vedetas da música brasileira que, em palco, souberam retribuir o carinho e admiração expressa pelas cerca de 600 pessoas que coloriram a interactiva plateia.

Porque tratava-se do ressurgimento de um espectáculo que aconteceu pela primeira vez há 35 anos, os dez artistas sul-americanos incumbidos de “testar” a solidez das relações bilaterais entre os dois povos, capricharam nos detalhes e subiram ao palco em conjunto para abrir o show com um tema colectivo feito a propósito do evento.

“D’aqui, d’acolá” é o título da canção de abertura interpretada por um elenco de “luxo” composto por Martinho da Vila, Elba Ramalho, Francis e Olívia Hime, Geraldo Azevedo, Mart’nália, Miúcha, Mariene de Castro, Nei Lopes e Yamandu Costa, que se apresentaram todos de branco para uma plateia muito animada e heterogenia em termos de estrato social.

Durante cerca de três horas de música ao vivo, estes “dinossauros” do music hall brasileiro conseguiram contagiar os presentes com bom samba, pagode e canções sertanejas, que levaram governantes, gestores públicos, diplomatas, artistas e jornalistas a exibirem alguns toques de dança e acompanharem cada letra em voz alta.

Conforme a ordem, depois da música de abertura, desfilaram em palco Mariene de Castro, que começou por aquecer a noite com os temas “É d’Oxum”, “Canto das três raças” e “Senhora Liberdade”, este último num dueto com Nei Lopes, que permaneceu no “palanque” para cantar “candongueiro” e “Tia Eulália na Xiba”.

De seguida os convivas foram brindados com um instrumental (de quase dez minutos) intitulado “Um a zero”, que anunciava a entrada em cena de Geraldo Azevedo, que fez recordar “Caravana” e “Poema de Agostinho Neto”, antes de interpretar “Canta coração” com Elba Ramalho, uma das mais aplaudidas, em virtude da performance em palco.

Esta animou a sala do Lookal com “Asa branca” e “Banho de Cheiro”, antes de chamar Yamandu Costa para lhe auxiliar na música “De volta para o aconchego”. Já sozinho, Yamandu cantou “Brejeiro” e, mais tarde, “Meu caro amigo, numa parelha com Francis Hime, que se manteve em palco para apresentar os temas “Navega Ilumina” e “Vai passar”.

Num momento em que a plateia se mostrava cada vez mais descontraída e o cronómetros contava no sentido regressivo (aproxima-se a hora do fim), para o delírio do espectadores subiu em palco uma das vozes mais “melódica” de Angola. Em acção entrava Yola Semedo, apenas para apresentar uma única música – o seu sucesso “Volta amor”.

A angolana abandonou a pista para ver regressar Francis Hime e Oliva Hime para cantarem “O que será?”. Esta segunda continuou em cena e apresentou “Morena do mar” e “Berimbau/Labareda”, já na companhia de Miúcha, que depois ofereceu individualmente “Samba do avião” e “Anos dourados”, suportada por uma banda muito compacta e competente.

Na sequência, exibiram-se Mart’nália com “Angola” e “Acreditar/Sonho meu”, ainda com esta jovem brasileira na pista, simpaticamente apresentou-se também em palco o mais esperado da noite, que conseguiu aferir a sua popularidade em Angola e aquecer mais ainda a festa. Martinho da Vila cantou, brincou, interagiu e dançou.

Com Mart’nália tocou “Muadiakime”. E antes de convidar todo o elenco para os dois temas finais bonificou os presentes com “Semba dos ancestrais” e “Madalena do Jucu”. Já em conjunto, os dez músicos brasileiros encerram o show com “Morena de Angola” e “Kizomba, a festa da raça”, com toda a plateia de pé.

Ricardo Medeiros (viola baixo), Marcos Thadeu (bateria), Magno Júlio (percussão), Jayme Vignoli (cavaquinho), Dirceu Leite (sopro), Marcelo Bernardes (também no sopro), Maurício Carrilo (violão) e João Carlos Coutinho (no piano) asseguraram instrumentalmente os protagonistas do show, prestigiado e valorizado pela ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva.

Entretanto, Yola Semedo foi a única cantora angolana contemplada neste evento, que marcou o ressurgimento (35 anos depois) do projecto Kalunga, de cuja primeira edição aconteceu em 1980.

O mesmo visou saudar os 193 anos de independência da República Federativa do Brasil (assinalado a sete deste mês) e os 40 anos de independência de Angola (11 de Novembro).

O show Kalunga II foi uma co-produção da Embaixada do Brasil em Angola e o Instituto de Desenvolvimento Educacional Internacional de Angola – IDEIA, com vista a reforçar as relações entre os dois povos, com especial enfoque nas relações bilaterais nas áreas empresarial e cultural, particularmente na música.

O Embaixador do Brasil, Norton de Andrade Mello Rapesta, que reiterou a intenção do seu país em intensificar as relações com Angola, foi outro espectador atento na “tribuna vip”, deste show que terminou a uma hora e meia de hoje, quinta-feira. (Angop)

- Publicidade -
- Publicidade -

Polícia cubana detém activistas entrincheirados em protesto pela condenação de um colega

Seis membros do grupo San Isidro estavam em greve de fome Um grupo de artistas cubanos que estava entrincheirado há 10 dias numa casa do...
- Publicidade -

JLo: Propaganda e Culto da Personalidade

"João Lourenço: Contigo é Possível". Foi este o slogan escolhido pelo MPLA para uma intensa campanha nas redes sociais nos últimos dias. Vinha junto...

Trump admite deixar a Casa Branca se o Colégio Eleitoral votar em Joe Biden

Presidente reiterou "fraudes massivas" e disse que "somos um país do terceiro mundo" O Presidente americano Donald Trump disse que deixará a Casa Branca se...

Covid-19. Cuba anuncia duas vacinas e já conta com quatro possíveis fármacos

Cuba anunciou quinta-feira que vai começar os ensaios clínicos de dois projectos de vacinas contra a Covid-19, que aumentam para quatro o número de...

Notícias relacionadas

Polícia cubana detém activistas entrincheirados em protesto pela condenação de um colega

Seis membros do grupo San Isidro estavam em greve de fome Um grupo de artistas cubanos que estava entrincheirado há 10 dias numa casa do...

JLo: Propaganda e Culto da Personalidade

"João Lourenço: Contigo é Possível". Foi este o slogan escolhido pelo MPLA para uma intensa campanha nas redes sociais nos últimos dias. Vinha junto...

Trump admite deixar a Casa Branca se o Colégio Eleitoral votar em Joe Biden

Presidente reiterou "fraudes massivas" e disse que "somos um país do terceiro mundo" O Presidente americano Donald Trump disse que deixará a Casa Branca se...

Covid-19. Cuba anuncia duas vacinas e já conta com quatro possíveis fármacos

Cuba anunciou quinta-feira que vai começar os ensaios clínicos de dois projectos de vacinas contra a Covid-19, que aumentam para quatro o número de...

Amor em tempos de cólera

Inspirados pela magia literária de Gabriel Garcia Marquez, acreditamos na nova aurora de liberdade proclamada em 2017 pelo Presidente João Lourenço, mas, três anos...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.