- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Paulo Portas: “Não são partidos nem outdoors que criam emprego, são as...

Paulo Portas: “Não são partidos nem outdoors que criam emprego, são as pessoas”

(jornaldenegocios.pt)
(jornaldenegocios.pt)

O líder do CDS-PP e a porta-voz do Bloco de Esquerda estiveram frente-a-frente esta terça-feira na SIC Notícias. Enquanto a porta-voz do Bloco de Esquerda se defendeu do fantasma da Tsipras, Paulo Portas tentou justificar a redução de 600 milhões de euros de despesa na Segurança Social apresentada em Bruxelas.

“Nestes quatro anos disseram-nos que era possível controlar a dívida, cortando nas famílias que já não tinham nada”, começou por apontar Catarina Martins, porta-voz do Bloco de Esquerda no início do frente-a-frente com Paulo Portas, esta terça-feira, no segundo dos sete debates televisivos entre os candidatos às eleições legislativas do próximo dia 4 de Outubro. “Quanto mais se contraiu a economia, mais dívida se gerou”, acrescentou.

“Se uma pessoa não tiver dinheiro para o passe do autocarro para ir trabalhar, consegue ter emprego para o crédito à habitação?”, questionou a porta-voz do Bloco de Esquerda, descrevendo um “ciclo de austeridade” e uma “destruição do mercado interno e capacidade de investimento do país” e a consequente “destruição do futuro”.

Paulo Portas defendeu-se com base “nas circunstâncias” com que entrou no Governo, “a poucas semanas do país entrar em bancarrota”, sublinhando que o Governo terminou o programa da troika sem recurso a tempo ou dinheiro extra e antecipando o pagamento ao FMI. “Em 2011 o país não era livre. Era um país com um sindicato de credores”, justificou o líder do CDS-PP.

Ao comentário de Catarina Martins que dizia não se lembrar de ter ouvido o candidato do CDS-PP a avisar que iria cortar nas pensões aquando as eleições de 2011, Paulo Portas recorreu ao antigo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras. “Quem me parece que mudou foi Tsipras”, ironizou. O candidato da coligação Portugal à Frente aproveitou para questionar a porta-voz do Bloco de Esquerda (BE) sobre a sua avaliação da política do Syriza, frequentemente associada ao BE.

Salientando discordar com o plano de austeridade da Grécia, Catarina Martins sublinhou que o importante “é um caminho alternativo ao beco sem saída”. “Aceitar que não há nenhuma alternativa é aceitar que vamos continuar a ter uma sangria de gente”, acrescentou.

A candidata do BE acusou a coligação de esconder o elefante da dívida e acusou o programa da coligação de não apresentar contas.

Ao nível das mudanças estruturais nos últimos quatro anos, Catarina Martins considerou o tema do emprego como o que mais transformações sofreu. “Este governo destruiu a contratação colectiva. Todos os trabalhadores ficaram numa grande dificuldade e as relações de trabalho ficaram mais precárias. Perdemos postos de trabalho e toda a gente vive de forma mais precária”. A líder do Bloco de Esquerda pelo círculo eleitoral de Lisboa alertou ainda para a quantidade de ofertas de trabalho sob a forma de estágios: “para as empresas é bom, porque pagam a doutorados duzentos euros e os estagiários recebem seiscentos euros”, sublinhou.

“Os salários médios em Portugal tiveram uma desvalorização de quase 50% nas novas gerações e de 100% nas 700 mil pessoas em situação de desemprego e sem direito a subsídios”, apontou Catarina Martins, acusando o Governo de se moldar à “chantagem do ministro [alemão] Wolfgang Schäuble”, garantindo que “a única convergência que o Bloco de Esquerda tem com a Alemanha é na questão dos refugiados”.

O líder do CDS-PP voltou a responder à questão da criação do emprego com recurso “à descida progressiva da taxa de desemprego do INE” e à “necessidade de uma estabilidade que gere confiança na economia”. “Sem confiança não há financiamento, sem financiamento não há crescimento, sem crescimento não há investimento e sem investimento não há emprego”, reiterou. “Não são partidos nem outdoors que criam emprego, são as pessoas”, concluiu.

Questionado sobre como iria o Governo garantir o compromisso com Bruxelas a respeito do corte de 600 mil milhões de euros na despesa da Segurança Social, Portas garantiu que “não será feito com cortes de pensões em pagamento” e que o Tribunal de Contas será respeitado, sendo que o consenso será feito “com o partido da oposição”. Um cheque em branco, descreveu Catarina Martins. (jornaldenegocios.pt)

- Publicidade -
- Publicidade -

Covid-19. Cuba anuncia duas vacinas e já conta com quatro possíveis fármacos

Cuba anunciou quinta-feira que vai começar os ensaios clínicos de dois projectos de vacinas contra a Covid-19, que aumentam para quatro o número de...
- Publicidade -

Amor em tempos de cólera

Inspirados pela magia literária de Gabriel Garcia Marquez, acreditamos na nova aurora de liberdade proclamada em 2017 pelo Presidente João Lourenço, mas, três anos...

Exportações dão 11,14 mil milhões de dólares

As exportações somaram, nos sete primeiros meses deste ano, 11,14 mil milhões de dólares contra 20,68 mil milhões no mesmo período do ano anterior...

Inocêncio de Matos vai a enterrar sábado

O funeral de Inocêncio de Matos, o jovem manifestante morto no dia 11 de Novembro, em Luanda, vai ser finalmente realizado sábado, num dos...

Notícias relacionadas

Covid-19. Cuba anuncia duas vacinas e já conta com quatro possíveis fármacos

Cuba anunciou quinta-feira que vai começar os ensaios clínicos de dois projectos de vacinas contra a Covid-19, que aumentam para quatro o número de...

Amor em tempos de cólera

Inspirados pela magia literária de Gabriel Garcia Marquez, acreditamos na nova aurora de liberdade proclamada em 2017 pelo Presidente João Lourenço, mas, três anos...

Exportações dão 11,14 mil milhões de dólares

As exportações somaram, nos sete primeiros meses deste ano, 11,14 mil milhões de dólares contra 20,68 mil milhões no mesmo período do ano anterior...

Inocêncio de Matos vai a enterrar sábado

O funeral de Inocêncio de Matos, o jovem manifestante morto no dia 11 de Novembro, em Luanda, vai ser finalmente realizado sábado, num dos...

“Beleza”, o angolano que mostra a arte da capoeira na África do Sul

Mário Lopes pratica a sua arte mesmo tempo de pandemia Na cidade sul-africana de Cape Town, Márcio Lopes, mais conhecido por Beleza, é um angolano...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.