- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Rangel surpreso com "reação desmesurada" às declarações na Universidade de Verão do...

Rangel surpreso com “reação desmesurada” às declarações na Universidade de Verão do PSD

Eurodeputado elogiou “ataque sério e consistente” feito à corrupção e “promiscuidade” e sugeriu que se os socialistas estivessem no poder, talvez Sócrates ou Salgado não estivessem sob investigação.

(D.R)
(D.R)

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel manifestou-se hoje surpreso com a “reação desmesurada” às suas declarações proferidas sábado na Universidade de Verão do partido, nas quais elogiou “o ataque sério e consistente” à corrupção e “promiscuidade”.

No sábado, na Universidade de Verão do PSD, o eurodeputado social-democrata elogiou o “ataque sério e consistente” feito nos últimos tempos à corrupção e “promiscuidade” e questionou se “alguém acredita que se os socialistas estivessem no poder haveria um primeiro-ministro sob investigação” [José Sócrates] ou “o maior banqueiro estaria sob investigação” [Ricardo Salgado].

Num artigo publicado hoje no jornal Público, Paulo Rangel diz estar surpreso com a “reação desmesurada de tantos à leitura de sociologia criminal e política” e salientou que não vai responder ao PS.

“Não vou responder ao PS, nem aos modos ‘enfurecidos’ — segundo a imprensa — da sua reação. O PS usou o conteúdo vasto e complexo da aula como lhe parecia dar mais jeito: Ironicamente, foi essa a reação que trouxe o caso Sócrates para a ribalta. Mas não me cabe defender o PS de si próprio”, sublinhou.

O eurodeputado do PSD diz também que não vai pronunciar-se sobre os comentadores que falaram sobre as suas declarações de sábado.

“(…) Não vou pronunciar-me sobre os comentadores que, nos vários meios, formularam opiniões para todos os gostos. As afirmações, depois de proferidas, ganham vida própria e não cabe ao autor cercear a liberdade e a imaginação de quem retamente as interpreta, intencionalmente as distorce ou inconscientemente as treslê”.

No artigo, Paulo Rangel reitera ainda tudo o que disse na Universidade de Verão do PSD.

“Insisto: A perseguição dos poderosos na política ou na finança não é obra do governo, mas o clima social, a disposição popular e atitude dos responsáveis políticos criam um ambiente favorável a um exercício são e pleno da justiça. Foi isto que disse e é isso que reitero”, afirma.

De acordo com Paulo Rangel, os mesmos que aplaudiram a acusação judicial do primeiro-ministro islandês por ter desenvolvido uma política que levou o país à bancarrota veem politização da justiça na referência à criação de um ambiente favorável à investigação de um banqueiro e de um líder político, que terão praticado crimes de delito comum.

“Podem dizer o que quiserem. Mas sob o ponto de vista do Estado de Direito, o ar é hoje bem mais respirável do que era em 2009 e 2011”, concluiu.

No sábado, pouco depois das declarações de Paulo Rangel, o eurodeputado do PS Francisco Assis acusou o PSD de estar a fazer “uma tentativa clara de partidarização da justiça” e exigiu a Pedro Passos Coelho que clarifique se se reconhece nas declarações do eurodeputado.

O porta-voz do PSD, Marco António Costa, afirmou que a posição oficial do partido, da coligação e do Governo é não comentar assuntos judiciais e recusou acrescentar qualquer posição à proferida por Passos Coelho sobre as declarações de Paulo Rangel.

Também a presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), Maria José Costeira, qualificou as declarações do eurodeputado social-democrata como “infelizes” e que em nada dignificam o discurso político e o secretário-geral do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, Filipe Preces, disse tratar-se de “chicana política”. (dn.pt)

- Publicidade -
- Publicidade -

Jornalistas agredidos em Nampula em pleno trabalho

Os profissionais foram agredidos e seus equipamentos retidos Dois jornalistas do canal televisivo moçambicano Media Mais TV foram agredidos na terça-feira, 24, num bairro da...
- Publicidade -

Família de manifestante morto em Luanda insiste em autópsia independente com presença de fotógrafo

Depois da recusa da PGR, quarta tentativa está marcada para amanhã Três semanas após a morte do estudante angolano Inocêncio Alberto de Matos durante a...

Petróleo ilumina mercados

O preço do barril de Brent negociou, ontem, ao meio-dia, no mercado de Londres, no valor de 47,70 dólares, uma variação positiva de 1,62...

PM guineense quer manter ministro da Economia no Governo e recusa sua demissão

Victor Mandinga pediu demissão depois da nomeação de vice-primeiro-ministro O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Nuno Gomes Nabiam, disse nesta terça-feira, 24, não ter aceite o pedido...

Notícias relacionadas

Jornalistas agredidos em Nampula em pleno trabalho

Os profissionais foram agredidos e seus equipamentos retidos Dois jornalistas do canal televisivo moçambicano Media Mais TV foram agredidos na terça-feira, 24, num bairro da...

Família de manifestante morto em Luanda insiste em autópsia independente com presença de fotógrafo

Depois da recusa da PGR, quarta tentativa está marcada para amanhã Três semanas após a morte do estudante angolano Inocêncio Alberto de Matos durante a...

Petróleo ilumina mercados

O preço do barril de Brent negociou, ontem, ao meio-dia, no mercado de Londres, no valor de 47,70 dólares, uma variação positiva de 1,62...

PM guineense quer manter ministro da Economia no Governo e recusa sua demissão

Victor Mandinga pediu demissão depois da nomeação de vice-primeiro-ministro O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Nuno Gomes Nabiam, disse nesta terça-feira, 24, não ter aceite o pedido...

Ministro moçambicano da Defesa celebra conquistas em Cabo Delgado, mas analistas sugerem cautela

"Não é por se ter recuperado a vila de Muidumbe, que tinha sido ocupada pelos insurgentes, que se vai celebrar a vitória", diz analista...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.