- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Flexibilidade é a palavra de ordem das negociações com a Apollo

Flexibilidade é a palavra de ordem das negociações com a Apollo

(jornaldenegocios.pt)
(jornaldenegocios.pt)

A Apollo está disponível para comprar o Novo Banco por um baixo preço e partilhar ganhos de uma futura dispersão em bolsa. Também pode avançar apenas com dinheiro para capitalizar a instituição. No limite, admite promover fusão com outro banco já no mercado. Negociações com Banco de Portugal vão decorrer sob a égide da flexibilidade.

Flexibilidade sobre o modelo de entrada no capital do Novo Banco é a postura do grupo norte-americano Apollo relativamente às negociações que agora vai iniciar com o Banco de Portugal. A proposta da gestora de fundos de “private equity” admite vários cenários para tomar conta do banco que herdou os activos saudáveis do BES.

A oferta vinculativa que a Apollo colocou em cima da mesa, e que foi a única que sofreu melhorias a 7 de Agosto na sequência de um convite feito pelo Banco de Portugal, implicará, de imediato, o pagamento de um determinado preço pela totalidade do capital do Novo Banco. Um valor que será baixo, podendo estar pouco acima de 2.000 milhões de euros.

Mas a gestora de “private equity” estará disponível para partilhar com o Fundo de Resolução, que detém o Novo Banco, os ganhos que venha a obter no futuro com a dispersão em bolsa do capital da instituição liderada por Eduardo Stock da Cunha.

A realização de uma oferta inicial de venda (IPO) ao fim de um prazo de cerca de cinco anos é uma prática comum entre este tipo de investidores, habituados a adquirir empresas com dificuldades, a reestruturá-las – reduzindo o quadro de pessoal e vendendo activos – e a vendê-las em bolsa, recuperando o valor investido e realizando mais-valias que permitem remunerar os seus accionistas.

Outra das alternativas que a Apollo admite colocar em cima da mesa é a promoção de uma fusão com um banco já instalado no mercado português. O Financial Times chegou a noticiar que o grupo poderia adquirir o Novo Banco e, de seguida, avançar com uma fusão com o BPI que, desta forma, conseguiria resolver o problema de excesso de exposição a Angola. Recorde-se que o BPI chegou a estar na corrida, mas a sua oferta não vinculativa foi excluída devido ao baixo preço proposto.

No mercado, também se chegou a admitir uma aproximação entre a Apollo e o Santander para uma ofensiva conjunta ao Novo Banco. Até porque ambas as instituições já fizeram negócios juntos em Espanha – os americanos adquiriram uma carteira de imóveis ao grupo liderado por Ana Patrícia Botín.

O Santander também chegou a apresentar uma oferta não vinculativa, mas desistiu de avançar com uma oferta firme, depois de ter concluído que, pelos seus padrões, o Novo Banco necessitaria de um reforço de capital superior a dois mil milhões de euros.

A flexibilidade que marca a postura da Apollo admite ainda que a gestora de “private equity” venha a entrar no capital do banco de transição através do financiamento do aumento de capital que a instituição vai ter de fazer. Um cenário que permitiria à instituição tornar-se accionista e parceira do Fundo de Resolução, mas que implicaria uma alteração radical do modelo de venda que está em cima da mesa. (jornaldenegocios.pt)

- Publicidade -
- Publicidade -

Costa do Marfim: Laurent Gbagbo recupera seus passaportes marfinenses

Em breve, o ex-chefe de Estado da Costa do Marfim poderá retornar a Abidjan. Após vários meses de espera, Laurent Gbagbo recuperou, nesta sexta-feira, 4...
- Publicidade -

Novos contos do continente africano

Por ocasião da Feira do Livro e Imprensa Infantil de Montreuil, e da temporada África 2020, close-up de uma coleção de contos intitulada "Babel...

África discute implementação da Zona de Comércio Livre

Os Chefes de Estado ou de Governos africanos reúnem, amanhã, na 13ª sessão extraordinária, dedicada à implementação da Zona de Comércio Livre Continental Africana...

Combustíveis: Angola subvenciona consumo de vizinhos

Os contribuintes angolanos subvencionam o consumo de combustíveis em países vizinhos, segundo afirmou a ministra das Finanças, Vera Daves de Sousa, na quinta-feira à...

Notícias relacionadas

Costa do Marfim: Laurent Gbagbo recupera seus passaportes marfinenses

Em breve, o ex-chefe de Estado da Costa do Marfim poderá retornar a Abidjan. Após vários meses de espera, Laurent Gbagbo recuperou, nesta sexta-feira, 4...

Novos contos do continente africano

Por ocasião da Feira do Livro e Imprensa Infantil de Montreuil, e da temporada África 2020, close-up de uma coleção de contos intitulada "Babel...

África discute implementação da Zona de Comércio Livre

Os Chefes de Estado ou de Governos africanos reúnem, amanhã, na 13ª sessão extraordinária, dedicada à implementação da Zona de Comércio Livre Continental Africana...

Combustíveis: Angola subvenciona consumo de vizinhos

Os contribuintes angolanos subvencionam o consumo de combustíveis em países vizinhos, segundo afirmou a ministra das Finanças, Vera Daves de Sousa, na quinta-feira à...

Pentágono decide retirar tropas americanas da Somália

O Presidente Donald Trump ordenou ao Pentágono a retirada de quase todas as tropas americanas da Somália, onde há 13 anos lutam contra a...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.